Entre Dois Amores - Ann Major

Sinopse: Cici Bellefleur havia amado um dos irmãos Claiborne… e fora cortejada pelo outro. Tola, dera a Logan sua inocência, para logo descobrir que a sedução era apenas parte de um plano maquiavélico... uma traição que ela nunca esqueceria ou perdoaria. O retorno de Cici não só pegou Logan de surpresa, como também o fez perceber que sua atração por ela não diminuíra com o tempo. Agora, ele deseja possuir Cici novamente...desta vez para agradar a si mesmo e a mais ninguém! (Skoob)
MAJOR, Ann. Entre dois amores. Harlequin: 2010. 183 p.


Cici Bellefleur acreditava ser apaixonada por Jake Claiborne, até que seu irmão gêmeo, Logan, se aproxima dela e a seduz. É com ele que Cici tem sua primeira vez e com quem faz amor todas as noites durante aquele verão, até que Jake os flagra e parte para não mais voltar. E Logan então a abandona.
Ele toma essa atitude pensando ser o melhor para a família. Cici não era mulher para se casar com Jake, menos ainda com ele próprio. Foi o que seu avô, Pierre, o fez acreditar, e ele leva essa decisão até o fim, independente das consequências que essa atitude trará.

Desiludida, Cici deixa a cidade e viaja o mundo fotografando a morte de perto. Nove anos depois, entretanto, ela sente falta de um lar, o único que conhecia, Belle Rose. Pierre, que sofreu um derrame recente, muda suas opiniões sobre Cici e a recebe em sua casa. Mas como seria o reencontro de Logan e Cici depois de tanto tempo?

"Logan sorriu, lembrando-se de como Cici, quando criança, amava a escura floresta cheia de musgo que limitava a plantação. Assim que chegava para as férias e punha um pé fora de casa, ela o seguia por toda parte, tão ansiosa como um filhote devotado. Na ocasião, seu relacionamento era tão simples. Era oito anos mais nova do que ele e Jake e assim Logan não levava a sério sua paixonite por Jake até aquele verão, quando voltaea para as férias da faculdade de direito e descobrira que o avô tinha razão quando dizia que Cici não era mais uma criança."

Romance de banca. Uma leitura rápida e agradável. Estava sentindo falta de livros nesse estilo, que já não lia há bastante tempo. E o livro cumpre sua função: uma história ágil, agradável e, principalmente, recheada de paixão.

Não sei se deveria ser tão rígida com a análise do livro, mas é impossível deixar de notar algumas "falhas" na história. Achei bastante estranho a forma como Logan resolve separar Cici de Jake, envolvendo-se ele próprio com ela. Depois disso, quando voltam a se encontrar, achei bem rápida a forma como voltam a "confiar" um no outro, apesar de tanta mágoa e ressentimento guardados por tantos anos. Não consigo imaginar uma paixão, por mais irracional que seja, fazer com que alguém deixe de lado esse tipo de coisa.

Fora essas observações, não há nada que tenha atrapalhado a história. Claro que, por ser um romance de banca, não tem tanta profundidade. Mesmo assim, os personagens são agradáveis e bem temperamentais - característica que eu gosto mais, para ser sincera. A narração em terceira pessoa também ajuda, já que pode-se observar o contexto, visualizando pensamentos de todos os envolvidos. Enfim... não é o melhor romance de banca que eu já li, mas com certeza é um história gostosa de acompanhar e ideal para dar um tempo entre leituras mais pesadas.

Leia Mais
34 comentários
Compartilhe:

Promessa de Sangue - Richelle Mead

Fonte da Imagem: Nuvem Literária
Sinopse: A vida da guardiã Rose Hathaway nunca será a mesma. O recente ataque a Academia St. Vladimir devastou todo o mundo Moroi. Muitos estão mortos. E, pelas poucas vitimas carregadas pelos Strigoi, o destino deles é ainda pior. Uma rara tatuagem agora adorna o pescoço de Rose, uma marca que diz que ela matou Strigoi demais para contar.Mas apenas uma vitima importa… Dimitri Belikov. Rose agora deve escolher, um de dois caminhos bem diferentes: princesa – ou, abandonar a academia para sair sozinha em uma caça para matar o homem que ela ama. Ela terá de ir ao fim do mundo para encontrar Dimitri e manter a promessa que ele implorou para ela fazer. Mas a pergunta é, quando a hora chegar, ele irá querer ser salvo? Agora, com tudo em jogo – e mundos de distancia da St. Vladimir e sua desprotegida e vulnerável, e recentemente rebelde, melhor amiga – Rose pode encontrar forças para destruir Dimitri? Ou, ela vai se sacrificar para ter uma chance em um amor eterno? (Skoob)
MEAD, Richelle. Promessa de Sangue. Academia de Vampiros #4. Agir: 2010. 448 p.

Promessa de Sangue, quarto livro da série Academia de Vampiros - que eu já li há algum tempo, por sinal, e já folheei várias vezes depois disso -, me deixou com o coração acelerado e, por vezes até, sem fôlego. É incrível como Richelle Mead consegue conectar todos os pontos, fazer uma história cheia de romance, ação, aventura, drama, tudo, na medida certa.

Para quem ainda não leu os primeiros livros, haverá muitos spoilers!

Mason tentou avisar, mas foi impossível evitar o ataque Strigoi à escola São Vladimir. Esse aviso ao menos permitiu que os dampiros e Moroi não fossem pegos de surpresa e pudessem se defender. O resultado disso, porém, foi devastador. Mesmo tendo acabado com a maioria dos invasores, as perdas foram imensuráveis, inclusive para Rose. Parecia impossível acreditar que o homem que amava, que a completava, agora se transformara no ser que ele mais repugnava: um Strigoi.

Tudo o que Rose sonhou alcançar até então já não tinha mais sentido. Ela passa a se sentir presa a uma promessa que ela nem fizera, uma conversa muito antiga, mas acredita que precisa salvar a alma de Dimitri e libertá-lo de sua atual condição; esse agora é seu objetivo de vida. Deixando de lado a possibilidade de se tornar a guardiã de Lissa, Rose parte da escola em direção ao incerto, na busca daquele que ela quase desejava não encontrar.

"Eu nunca estivera em Moscou. Era uma linda cidade, próspera e cheia de gente e comércio. Poderia ter ficado dias lá, só fazendo compras e experimentando restaurantes. [...] Por mais legal que aquilo tudo fosse, acabei tentando me desligar dos cenários e dos sons da cidade porque me lembravam... bom, Dimitri.
Ele vivia me falando sobre a Rússia o tempo todo e jurará que eu iria amar o pais. [...]
Seu rosto se iluminara ao lembrar os lugares que ele tinha visto, com uma alegria que deixara aqueles traços maravilhosos ainda mais divinos. Acho que ele poderia ter passado o dia todo citando pontos turísticos. Meu peito queimara por dentro, só de observá-lo. E então, como sempre acontecia quando eu temia acabar dando uma de idiota ou sentimentaloide, eu soltava uma piada para desviar a atenção e ocultar meus sentimentos. Isso o fizera reassumir a postura profissional, e voltáramos ao trabalho.
Agora, andando pelas ruas da cidade com Sydney, desejei não ter feito aquela piada e ouvido Dimitri falar mais sobre sua terra natal. Daria qualquer coisa para tê-lo ali comigo, do jeito que ele costumava ser. [...] E o tempo todo não parei de pensar que Dimitri é quem devia estar ali, do meu lado apontando as coisas e me explicando o que eram." (Pág. 51-52)

Com auxílio financeiro de Adrian, Rose vai para a Rússia, onde acredita que encontrará Dimitri e, de Strigoi em Strigoi, procura por ele em cada rosto. No rastro de corpos que vai deixando, ela conhece Sydney, uma humana alquimista responsável por manter os vampiros em segredo dos humanos, que passa a acompanhá-la e, por ordem de seus superiores, a leva à cidade natal de Dimitri.

Ao mesmo tempo, Rose acompanha Lissa através do laço, vê os sentimentos confusos da amiga se desenvolverem conforme treina a utilização do espírito com Adrian, o envolvimento dela com Avery, que chega à São Vladimir e se mostra uma companheira para Lissa, e os problemas dela com Christian.

Como tenho dito desde que li o primeiro livro, a história fica ainda melhor conforme o andamento. Promessa de Sangue me deixou grudada em suas páginas do início ao fim, foi perfeito. Uma mistura de drama, quando Rose se lembra dos momentos com Dimitri e se entrega aos sentimentos de luto; ação, quando ela caça cada Strigoi pensando que poderia ser Dimitri; aventura, considerando todas as habilidades que ela desenvolveu por ter sido beijada pelas sombras; e paixão... muita paixão, completamente irracional.

Foi bom poder conhecer um outro lado da história que ainda não tinha sido visto de dentro dos muros da escola. Richelle Mead permitiu que soubéssemos como eram as comunidades de prostitutas de sangue e como o imaginário dos vampiros é permeado por preconceitos infundados; vemos também, como os corpos dos vampiros eram eliminados para ocultar sua existência dos humanos; mostrou a interação e a volatilidade das relações Strigoi, principalmente quando vivem em grupos. Além disso, o livro é cheio de trechos maravilhosos, e poderia escrever vários posts, só com eles.

O final me surpreendeu mais uma vez. É admirável como Richelle Mead consegue fazer isso, nos deixando tão presos à história que mal suportamos esperar pelo próximo livro. Tanto é assim, que comprei Spirit Bound em inglês mesmo, e sempre que dá, me delicio com essa história tão fantástica que é impossível expressar em palavras.

Preciso dizer que recomendo?

Leia Mais
25 comentários
Compartilhe:

Pacto Secreto - Eliane Quintella

Sinopse: Três regras haviam sido reveladas à Valentina. Mas, ela não sabia se existiriam outras regras que teriam sido ocultadas. Tinha certo em seu coração que precisava ter seu pedido atendido. Era o que havia de mais importante. Precisava decidir se assinaria ou não o pacto. É a pergunta que não se cala. Será que Valentina deveria assinar o pacto sem ter certeza do que estava em jogo? O que realmente assumiria se assinasse?
E você, assinaria o pacto? Em troca, teria o que pedisse. Poderia ser qualquer coisa... (Skoob)
QUINTELLA, Eliane. Pacto Secreto.Novo Século: 2011. 357 p.

Três anos após acidente que deixou sua irmã gêmea, Sara, tetraplégica, Valentina continua a acreditar ser a culpada pelo ocorrido. E após tantas orações pedindo alívio para sua dor, resolve pedir ajuda a quem quer que seja, mesmo ao diabo. O que ela não esperava, entretanto, é que  teria seu pedido atendido.

Na primeira vez que resolve sair com as amigas após o acidente, Valentina encontra um homem misterioso, incrivelmente lindo, que vem lhe explicar sobre as regras do pacto. Valentina se vê em um dilema sério: abandonar seu Deus e ver sua irmã como antes ou deixar as coisas como estavam e suportar a dor que se abatia diariamente sobre a sua família?

Instigada sobre as consequências de fazer um pacto com o diabo, Valentina parte atrás das respostas necessárias para ter firmeza sobre aquilo que queria, e começa a perceber que nem tudo era obra do acaso.

"- Minha filha, quem é esse diabo afinal? Quem é esse enviado? O que eles realmente querem? Tudo isso você precisa saber antes de tomar qualquer atitude. Você não pode partir de premissas, conceitos predeterminados extraídos de sua cabeça, da cabeça do enviado ou de qualquer pessoa; você precisa saber a verdade." (pág. 66)

Mesmo achando estar preparada para o que viria, por ter lido tantas resenhas do livro, Pacto Secreto foi, para mim, uma surpresa muito agradável. Achei a narrativa um pouco repetitiva no início, admito, mas acredito que tenha sido uma forma de a autora salientar as características da Valentina, mostrar bem como ela era, como vivia, do que gostava ou não. Essa repetição, entretanto, logo fica para trás. Os fatos vão acontecendo de forma cativante, os personagens vão nos envolvendo e a curiosidade se aguça a cada página.

A primeira impressão que tive sobre a Valentina é que ela era um pouco ingênua, mas percebi após algum tempo que era apenas irracionalidade devido ao seu desespero. Tanto que, quando se dá conta do tamanho do "jogo" em que se vê envolvida, ela logo percebe em quem pode ou não confiar, que nem tudo aquilo que querem que ela acredite é definitivamente verdade, e passa a realmente jogar. E quem disse que precisa jogar limpo?

Valentina começa a buscar as informações necessárias para decidir o que fazer e essa busca é o ponto principal da história. A personagem não tem medo, principalmente por saber que a queriam viva, então vai a fundo para conseguir o que deseja. Espero que isso não seja nenhum spoiler, mas tenho que comentar que achei inteligente demais a solução que Valentina arranjou e ainda mais inteligente o que Sara fez para conseguir cumprir sua promessa.

Foi interessante conhecer um pouco de histórias e lendas sobre Deus e o diabo, algumas sobre as quais eu era totalmente ignorante. Acho bom demais quando um autor se prepara e pesquisa sobre o assunto que pretende abordar, e é perceptível isso no trabalho da Eliane. As citações bíblicas são um exemplo disso. E, apesar de falar sobre Deus e mostrar a fé, a obra não não chega nem perto de se prender às concepções religiosas.

Um detalhe que me incomodou um pouco foi ver, nas narrações das personagens, alguns tipos de descrições sobre si mesmas que poucas pessoas fariam. Não que prejudicasse a história, longe disso, só achei estranho a Sara dizer que tinha um jeito "doce", por exemplo. Alguns pontos ficaram em suspenso. Gostaria de ter conhecido mais a fundo o enviado, saber o que ele pensava realmente sobre Valentina, se ele se envolveu de alguma forma com ela ou se significava apenas um desafio. Carla também deixou uma interrogação; fiquei me perguntando como e porque entrou na vida da protagonista, e mais algumas coisas que não posso citar porque seriam spoiler. Espero que esses detalhes sejam explicados na continuação que, por sinal, estou bem curiosa para ler.

Parabéns à Eliane, que escreveu uma trama diferente e envolvente e, de uma forma geral, bem amarrada. Espero que os próximos livros amarrem ainda mais pontas, pois a história tem tudo para ficar cada vez melhor. Obrigada à autora por aceitar parceria com o blog e por me permitir conhecer essa obra que eu adorei.

Leia Mais
30 comentários
Compartilhe:

Conjuntando #6: Filmes



Oi todo mundo! Trazendo mais algumas dicas de filmes que assisti nesses últimos dias. Espero que curtam!


Assassino a preço fixo:


Arthur Bishop (Jason Statham) é um assassino de elite, que possui um código restrito e um talento especial para eliminar seus alvos. Um dia ele recebe a missão de matar Harry McKenna (Donald Sutherland), seu melhor amigo, acusado de ter vazado informações sigilosas que levaram cinco agentes à morte. Arthur cumpre a missão e, logo em seguida, reencontra Steve (Ben Foster), o filho problemático de Harry. Desejando vingança, Steve recebe a ajuda de Arthur para também se tornar um assassino. Os dois logo trabalham em conjunto, sem que Steve saiba que seu tutor é na verdade o assassino de seu pai.

Ainda não houve um único filme do Jason Statham que eu não gostasse. Normalmente de ação, com enredos bem envolventes, são filmes bem inteligentes. Esse não é diferente. Gostei muito, principalmente do final bem criativo.


Orgulho e Preconceito:



Inglaterra, 1797. As cinco irmãs Bennet - Elizabeth (Keira Knightley), Jane (Rosamund Pike), Lydia (Jena Malone), Mary (Talulah Riley) e Kitty (Carey Mulligan) - foram criadas por uma mãe (Brenda Blethyn) que tinha fixação em lhes encontrar maridos que garantissem seu futuro. Porém Elizabeth deseja ter uma vida mais ampla do que apenas se dedicar ao marido, sendo apoiada pelo pai (Donald Sutherland). Quando o sr. Bingley (Simon Woods), um solteiro rico, passa a morar em uma mansão vizinha, as irmãs logo ficam agitadas. Jane logo parece que conquistará o coração do novo vizinho, enquanto que Elizabeth conhece o bonito e esnobe sr. Darcy (Matthew Macfadyen). Os encontros entre Elizabeth e Darcy passam a ser cada vez mais constantes, apesar deles sempre discutirem.

Sempre ouvia falar deste filme e seu respectivo livro, mas, antes disso, por um certo preconceito, nunca tive vontade de assistir. Até que ganhei ele em um sorteio, como já comentei aqui, e aproveitei a ioportunidade. Achei que as duas horas de filme seriam entendiantes, mas passou rapidinho, comigo completamente envolvida! Amei.



Já assistiram algum? O que acharam?

Julia.

Leia Mais
23 comentários
Compartilhe:

Inocência - Visconde de Taunay

Sinopse: "Inocência" é um marco do Romantismo e também um dos melhores exemplos de literatura regionalista, revelando detalhadamente a vida sertaneja do interior do Mato Grosso na metade do século passado. Fiel à tendência romântica, o romance possui no seu núcleo uma história de amor impossível: a jovem cabocla Inocência está prometida por seu pai ao rude sertanejo Manecão, mas apaixona-se pelo forasteiro Cirino, gerando uma série de conflitos devido ao rigoroso código de honra da época. (Skoob)

Clássico do Romantismo brasileiro, Inocência, de Visconde de Taunay, possui todos os atributos inerentes a esse movimento literário: uma donzela apaixonada, um homem que a idolatra, demonstrando a idealização do amor e da mulher, e a valorização da natureza. Passando-se no século XIX, no interior do Brasil, a obra retrata o cotidiano simples e os modos modestos de vida, as dificuldades dos viajantes, o tratamento dispensado à mulher e o convívio diário com doenças e males que atingiam a população.

Cirino, pseudomédico, viaja pelo sertão do Mato Grosso a curar doentes. A caminho da próxima vila, depara-se com Sr. Pereira, que volta da cidade frustrado por não conseguir encontrar o remédio que sua filha precisa para as sezões (febres) da maleita (malária). Sr. Pereira mal podia acreditar em sua sorte: leva Cirino à sua fazenda, pede que se instale por lá e diz que avisará os doentes da região a fim de que venham até ele e que não precise parar de trabalhar. Pouco depois da chegada de Cirino à fazenda, surge também um novo visitante. Meyer, um alemão que está no Brasil para pesquisar insetos, abriga-se também nas terras de Sr. Pereira. 

“Com efeito, de volta à sala dos hóspedes, não pôde mais conciliar o sono e, sem que houvesse conseguido fruir um só momento de descanso, viu raiar a aurora. Parecia-lhe que o peito ardia todo em chamas a subirem-lhe às faces, abrasando-lhe o pensamento.
Aquele venusto rosto que contemplara a sós; aqueles formosos olhos, cujo brilho a furto percebera, aquele colo alabastrino que a medo se descobrira, aquelas indecisas curvas de um corpo adorável, todo aquele conjunto harmonioso e encantador que vira à luz de frouxa vela, fatalmente o lançavam nesse pélago semeado de tormentas que se chama paixão!”


Logo que se põe a cuidar da filha de Pereira, Inocência, sob olhares fiscalizadores do pai; que não podia deixá-la sozinha com um homem, Cirino logo se vê apaixonado pela moça. Sr. Pereira, que desconfia das intenções do ingênuo Meyer, mal consegue perceber as de Cirino, que consegue furtivos encontros com Inocência. Cirino, entretanto, nada podia esperar com ela, pois já estava prometida a Manecão, e palavra é a moeda mais valiosa do sertão.

Diferente do que encontrei em Memórias de um Sargento de Milícias, Inocência não traz tantas novidades, e é até previsível. Mas não, por isso, deixa de ser uma leitura bem agradável. Claro que, por se tratar de um clássico, requer um pouco de paciência para nos adequarmos à linguagem, mas há tanta riqueza cultural nessas obras que eu acredito que valha a pena. Além do mais, depois que se acostuma à escrita, vemos como a forma de narração é bela e musical. Mesmo as expressões regionalistas utilizadas nos diálogos não causam prejuízo a essa característica.

O romance se desenvolve de maneira meio irreal, mas, como não sabemos o que era viver naqueles tempos, não há como julgar se poderia ou não ter acontecido. Não me identifiquei tanto com o casal principal, o que não me impediu de torcer por eles e tentar encontrar uma solução para o desafio dos dois.

Como todo clássico, deve-se saber apreciar. Eu mesma só comecei a gostar deles quando me livrei de certos preceitos que adotava sem perceber, e não tenho me arrependido disso. Inocência é um livro interessante de conhecer, mas não se pode esperar cair de amores.

Leia Mais
27 comentários
Compartilhe: