Valeapenalerdenovo #3


Livro da vez: Longe demais
Autor(a): Jennifer Echols
Onde comprar: CulturaSaraiva
Mais informações: Skoob

  • Porque ler Longe Demais?
Estória muito gostosa;
Super indicada para quem gosta de YA;
A protagonista é forte;
Há muita química entre os protagonistas;
A estória flui bem e se passa bem rápido, com um ritmo perfeito;
O livro te atrai de maneira indiscutível;
Todos os personagens têm o seu tempo e de maneira alguma são esquecidos;
É o melhor livro da Echols;

  • Porque não ler  Longe Demais?
Apesar de tratar de alguns assuntos delicados, os mesmos não se dá o valor necessário, simplesmente parece que não aconteceu nada;
A revira-volta é um pouco repentina demais;
O final, finalzinho mesmo, é um pouco 'só isso? Sério?'.


O que vocês acharam? Sua opinião é super importante para nós.
Boa leitura e até mais.




Sobre a colunista: Carol Couto


21. Estudante de engenharia sanitária e ambiental. Baiana.
Adora ler livros de fantasia, YA e mais um tanto, ouvir música, dormir, comer, tomar chás e sucos, conversar, viajar. 
Tem uma queda por gatos pretos.
Dona do blog #Resenha falada.



Leia Mais
21 comentários
Compartilhe:

Promoção 1 ANO



Olá queridos amigos e leitores do Conjunto da Obra!
Está se aproximando um dia especial para mim, pois o blog está prestes a completar seu primeiro aninho. Isso acontece no dia 25 de maio, mas eu já me sinto plenamente satisfeita com todo o retorno que tive com o blog. Além de minha paixão pela leitura, pude encontrar pessoas com gostos semelhantes aos meus, rir com a criatividade de gente que eu nunca vi antes, e me deliciar com cada palavra escrita sobre livros que se tornaram ou se tornarão importantes para mim. Sem contar que escrever aqui se tornou uma válvula de escape para o estresse diário, o trânsito, as tantas coisas que preciso e quero estudar... uma forma de relaxar e simplesmente deixar o sentimento fluir.
Em números: São quase 200 seguidores, algumas editoras e autoras parceiras, e este é o post número 150 por aqui. Mas minhas conquistas vão muito além disso. São incontáveis e não palpáveis. E é por isso que quero dividir um pouco disso tudo com vocês, trazendo hoje essa promoção de aniversário, que terá o sorteio realizado no dia 25/05.

São 5 kits, sorteados para 5 ganhadores. O primeiro sorteado escolhe o livro que deseja, o segundo escolhe um entre os quatro restantes e assim por diante. As chances são grandes, então vamos participar, ok?


Kit 1: Livro Chama Imortal e marcadores:



Para os que quiserem conhecer, tem resenha do livro aqui.


Kit 2: Livro Um Inverno me Esfria e marcadores:


Em breve, resenha do livro no blog.


Kit 3: Livro O Chamado Selvagem e marcadores:


Resenha do livro aqui.


Kit 4: Livro O menino que colecionava sonhos e marcadores:


Em breve, resenha do livro no blog.

Kit 5: Livro Entre dois amores e marcadores:



Resenha do livro aqui.


As inscrições serão realizadas pelo Rafflecopter, e estou dando várias opções diárias de participações extras. Como é a primeira vez que eu uso a ferramenta, estou rezando para que dê certo. Um beijo, e boa sorte a todos!





Leia Mais
49 comentários
Compartilhe:

Uma Manhã Gloriosa - Diana Peterfreund

Sinopse: Becky Fuller trabalha como produtora de um programa de televisão numa emissora local de Nova Jersey. Ela é despedida, mas vê seu sonho de trabalhar em Nova York se tornar realidade quando surge uma vaga no Daybreak, programa com péssimos índices de audiência, equipamentos ultrapassados e uma equipe excêntrica. A única descoberta agradável para Becky é Adam Bennet, seu lindo colega de trabalho. Agora ela terá de salvar sua carreira, sua vida amorosa e, não esqueçamos, o Daybreak. (Skoob)
PETERFREUND, Diana. Uma manhã gloriosa. Record, 2011. 267 p.


Trabalhando na produção de um programa matinal local de New Jersey, Becky Fuller se esforça mais do que o necessário para fazer tudo funcionar. Sua rotina é milimetricamente programada, qualquer encontro que ela possa ter precisa acontecer antes das 18h, já que os horários de programas matinais não facilitam sua vida e precisa estar sempre disponível em seu Blackberry, que toca a cada três segundos. Mas quando achava estar preparada para galgar um degrau de sua história profissional dentro da empresa, ela é demitida. Demitida pois o programa precisava de alguém mais "especializado", e só havia orçamento para manter uma pessoa, que não era ela.

Desesperada, já que todos os lugares onde pretendia se candidatar esperavam alguém com uma graduação concluída, Becky se vê totalmente sem alternativas, até que recebe um telefonema da IBS, que buscava um novo produtor para o Daybreak. O detalhe era que o programa tinha a pior audiência da televisão, uma equipe descompromissada e desmotivada e, o que ela veio a saber depois de aceitar a proposta: estava prestes a ser cancelado. Se isso acontecesse, qualquer oportunidade que Becky um dia sonhava ter nas produções matinais estaria exterminada. Ela precisava então correr contra o tempo e transformar o Daybreak em um programa respeitável.

"- Faz alguma ideia da sorte que tem por estar aqui? - Minha voz subiu uma oitava. - Da sorte que todos nós temos com esses empregos? Da rapidez com que tudo pode ser eliminado?
Duvidei que ele se importasse com isso. Afinal, seu contrato continuaria muito tempo depois de o Daybreak baixar em seu caixão.
Percebi ligeiramente que todos no estúdio estavam me olhando, mas eu já havia passado há muito de preocupações insignificantes com dignidade.
- Humm, vamos voltar em 30 - disse Pete.
[...]
Esse era para ser o emprego dos meus sonhos - eu berrei com Mike. - A vida dos meus sonhos! Trabalhar num programa de rede de TV em Nova York. [...] E tem um cara... um cara ótimo, que na verdade é meio gato... e ele me suporta por tempo suficiente para transar comigo. [...] E em vez disso - eu disse, ou melhor, gritei - está tudo uma zona. Por sua causa." (pág. 184)

Diferente da maioria dos livros que inspiram adaptações cinematográficas, Uma Manhã Gloriosa, de Diana Peterfreud foi escrito com base no roteiro do filme de mesmo nome, de 2010. Nesse post, ano passado, comentei brevemente minhas impressões sobre o filme, e resolvi ler o livro exatamente por causa da boa impressão que tive.

Durante a leitura, me dei conta de um detalhe um tanto quanto interessante: quando lemos livros e assistimos a adaptações, dificilmente gostamos das mudanças que são feitas no enredo. Mas, nesse caso, por ter sido criado a partir do procedimento inverso, o livro não possui mudança alguma em relação ao filme, que foi o que mais me desagradou, pois era como se eu estivesse vendo tudo novamente.

Narrado em primeira pessoa pela própria Becky Fuller, o livro mostra o esforço da personagem, maluca, os pensamentos neuróticos dela, e dá uma ênfase um pouco maior ao romance, o que no filme foi quase impercepitível. Essa ênfase talvez se dê exatamente pelo tipo de narração, já que é possível acompanhar os pensamentos e sentimentos de Becky. Adam, par romântico de Becky, entretanto, ainda ficou como uma incógnita para mim. Ele pouco aparecia, soltava uma ou outra frase inteligente e sarcástica, era um fofo, mas não senti que o conhecia durante a leitura. Infelizmente, acabou quase dispensável da trama.

Collen, a apresentadora, é tão divertida quanto no filme, mas as cenas deste, que demonstravam rapidamente as mudanças que ocorriam na produção, foram mostradas de maneira superficial no livro, o que tirou um pouco do brilho da história. Da mesma forma aconteceu com Mike, que mantinha o tipo resmungão por esperar fazer jornalismo de verdade, e não um programa de variedades, mas que, no livro, não tinha o brilho dado pela interpretação de Harrison Ford. Os outros personagens foram apenas citados no livro, o que me impediu de visualizar suas funções na história, diferente do que ocorria no filme. Apesar disso, o livro consegue transmitir a mesma graça, a mesma leveza, e me arrancou algumas boas risadas.

Quero pedir desculpas por não fazer uma resenha de verdade, já que foi mais uma comparação livro x filme, mas tudo que me passava enquanto eu lia o livro era como tais cenas haviam sido mostradas na versão cinematográfica - o que seria impossível não fazer quando ambos são tão pouco diferentes. Recomendo essa leitura para aqueles que não assistiram o filme, que querem uma história divertida e leve para descontrair.

Leia Mais
17 comentários
Compartilhe:

Blogosfera Anti-Plágio


Então é assim: você pega aquele seu livro bacana da estante. Abre, começa a ler. Presta atenção em todos os detalhes, cola post-its, faz anotações. Pensa em como aquela frase vai fazer o maior efeito na sua resenha. "Poxa, acho que os leitores vão gostar disso". Às vezes, você embarca na história. De outras, deixa até mesmo o seu prazer de lado para pensar em como vai apresentar sua opinião aos leitores do seu blog. Aí você, incauto blogueiro, termina a leitura. Pega seu livro, seu caderninho de anotações, seu arquivo com notas, o que seja; e vai para a frente do computador. Passa umas boas duas horas pensando em como irá traduzir em palavras o que sentiu durante a leitura. Se não usa a sinopse oficial do livro, gasta mais duas horas escrevendo uma sinopse personalizada, tomando aquele cuidado especial para não colocar nenhum spoiler.


Então vem a fase de revisão. Você lê, relê. Muda frases de lugar, ajusta conceitos. Reformula ideias. Talvez apague tudo e recomece. Afinal, você é um blogueiro responsável. Quer que seu texto saia o melhor possível, que os leitores puxem lencinhos e se emocionem com você, ou que leiam e riam porque você também riu lendo aquele livro. E você procura imagens. Capas de várias edições pelo mundo. Imagens em gif que traduzam seu surto ao ler aquela história. Trilhas sonoras que acompanharam sua leitura. Imagens que ilustrem o quanto você foi afetado pelo que o autor te contou naquelas páginas.

Quem sabe você não seja tão perfeccionista e só escreva seu texto, tomando o cuidado de ver se não tem nenhum errinho. Tudo bem. Deu trabalho do mesmo jeito escrever as coisas da melhor maneira que você sabia. Tudo isso te custou tempo. Aquele espaço entre seus dois empregos. Suas horas de folga que podiam ser empregadas em outras formas de lazer. Minutos e mais minutos madrugada adentro, em que você poderia estar dormindo. O drama pode parecer exagerado, mas muitos blogueiros deixam o lazer e o sono de lado pra manter o blog! Mas você ama ler. E ama seu blog. Ama escrever e ama o que faz  e é por isso que você está ali, persistente. Criando seu próprio conteúdo. ...Tudo isso para vir um babaca chupinhador e roubar seu trabalho suado de horas em alguns poucos segundos, postando aquilo que você deu o sangue pra criar como se fosse dele. SEM CRÉDITOS. Enganando a todos: aos leitores, que nem sempre sabem do que o kibador é capaz; às editoras e autores que inadvertidamente fecham parcerias com tais blogs... e a ele(a) mesmo(a), que anda por aí achando que ninguém percebe a grande e robusta mentira que é.


PLÁGIO É CRIME. É ANTIÉTICO. RESPEITE O TRABALHO DE QUEM CRIOU O CONTEÚDO. QUER MANTER UM BLOG? ESCREVA VOCÊ MESMO! (Ou fique na sua, que é melhor pra todo mundo. E mais respeitoso também.)
Esse post é parte de uma postagem coletiva contra o plágio na blogosfera. Acesse o site "Blogosfera Anti-Plágio", saiba mais sobre o assunto e veja quem mais apoia essa causa.

Leia Mais
14 comentários
Compartilhe:

O Diário Serial - Inicia-se a caçada ao serial killer


Lançamento: O Diário Serial – Igor Castro

Titulo: O Diário Serial

Autora: Igor Castro
Editora: Dracaena
ISBN: 9788564469785
Páginas: 224

Onde Comprar (Pré-venda):

Editora | Travessa

Sinopse: Verão no litoral catarinense. Uma época de sol, calor e muitas festas. Mas esta rotina paradisíaca mudará quando uma série de assassinatos assolar a cidade, em eventos nunca antes presenciados.
Um serial killer está solto, escrevendo em seu diário seus mais profundos e aterrorizantes sentimentos, descrevendo como se sente quando mata e como pretende continuar com seu plano.
A única esperança da cidade é uma dupla de jovens policiais, que caçarão o assassino nos mais diversos cantos da Ilha da Magia. Um thriller bombástico do início ao fim, que colocará o primeiro serial killer em terras florianopolitanas.

Book trailer - O Diário Serial - Igor Castro.







Autoras Nacionais em Destaque

Confira entrevista com Janethe Fontes, autora do livro “Sentimento Fatal”.



Compre esse livro com frete grátis: Site da Editora



Confira entrevista com Raphaella Mello, autora do livro “Segredos de um Vampiro”.



Para ler a entrevista acesse: http://www.literaturadecabeca.com.br/2012/04/literatura-entrevista-raphaela-machado.html
Compre esse livro com frete grátis: Site da Editora



Jéssica Anitelli, autora do livro “O Punhal” lançado pela Editora Dracaena é destaque em jornal.





Envio de Originais

A Editora Dracaena está em busca de novos autores para publicação, divulgação e distribuição nacional.
Publique seu livro com uma das editoras que mais cresce no Brasil.
Envie seu original para avaliação através do email: publique@dracaena.com.br
Para mais informações acesse: http://www.dracaena.com.br/?modulo=Conteudo&id=2

Leia Mais
19 comentários
Compartilhe:

Horizontes: Vocação - Roberto Laaf

Sinopse: Ana Clara continua às voltas com suas visões de assassinatos, mas desta vez o protagonista de seus tormentos é um homem elegante e envolvente chamado Eduardo, que lhe foi apresentado por sua melhor amiga, Clarisse.
Depois de muito tempo com o coração endurecido e mergulhado em solidão, sente-se tocada pelo jeito especial de Eduardo, o que lhe deixa ainda mais angustiada pela certeza do perigo.
Incapaz de imaginar que o assassino de seus pais está tão próximo, o perigo continua rondando a si e aos seus amigos, em uma espécie de sinistro ensaio para a morte.
---
“Zaconi olhava para sua vítima com frieza. Nada em seu ser sinalizava um mínimo de compaixão... Tratava-se apenas de mais um prazeroso negócio lucrativo...” (Skoob)
LAAF, Roberto. Horizontes - Vocação. Alcantis, 2011. 198 p.

 
Depois do incidente que traumatizou Clarisse, Ana Clara percebeu que precisava dar todo o apoio necessário para a amiga se recuperar. Por isso, ignorou as atitudes precipitadas de Matheus e aceitou entrar em um relacionamento com ele, mesmo sabendo que não sentia nada mais do que respeito por seu chefe.
 
Clarisse começava a dar novamente espaço para outras pessoas entrarem em sua vida, e com ajuda dela, Ana Clara conhece um amigo que poderia, talvez, ajudar com seu estranho dom. Eduardo, em pouco tempo, se tornou algo mais, mas Ana Clara sentiu que ele corria perigo. Como ela faria para protegê-lo, já que, depois de tanto tempo, tinha finalmente encontrado alguém com quem queria ficar?

"Eduardo esticou o braço sobre a mesa e segurou a mão de Ana Clara, pressionando-a suavemente como que desejando transmitir-lhe um pouco de confiança.
No mesmo instante ela sentiu um calor subir-lhe pelo rosto e ficou sem ação. Não foi capaz de recuar àquele toque inesperado e uma onde de sensações distintas a dominou. Em parte, sentiu uma repentina satisfação ao ser tocada daquela forma tão carinhosa, mas algo desagradável também ocorreu: quase imperceptivel, sentiu o peculiar formigamento atrás da nuca que precede as desagradáveis visões de morte que invadem sua mente mostrando a pessoa com quem matém o contato sendo assassinada brutalmente."

Horizontes - Vocação, de Roberto Laaf mantém vários dos pontos positivos de seu antecessor, como a escrita sem erros de ortografia ou digitação e os fatos da história entrelaçados em uma teia de mistérios que é impossível deixar de querer ler. O fato de alguns detalhes serem entregues aos poucos durante a leitura também nos mantém impelidos para saber o que acontecerá na sequência.

Infelizmente, senti que faltou alguma coisa nesse segundo volume, e alguns dos aspectos que considerei bom em Revelações me pareceram falhos dessa vez. A narração extremamente direta parecia tirar um pouco do brilho das cenas, como se o autor estivesse contando sua história para um amigo, sem se ater muito aos detalhes, nos distanciando um pouco dos acontecimentos, e não nos inserindo neles. Até uma das cenas mais tristes dos livros, que poderia tocar como nenhuma outra, passou indiferente por mim na história, sem causar qualquer tipo de emoção.

Não me convenci muito do fato que a protagonista, que parece tão forte, se sujeitasse a estar em uma situação imposta como estava, mesmo que achasse que era a única saída. Conformismo não me pareceu uma boa solução nesse caso, e era como se ela simplesmente achasse que não poderia ter nada melhor em sua vida naquele momento.

Estranhei a criminalidade exacerbada da história. Não que eu não saiba que exista e esteja em qualquer lugar, mas ter apenas 2 ou 3 personagens que não sejam "bandidos" é um pouco improvável. Nesse caso, porém, acho que a "falha" veio em razão de o autor não querer adicionar novos personagens, para não perder os focos principais do texto, mas precisar de diversas fontes de insegurança para amarrar bem todas as pontas. Um detalhe positivo disso tudo, entretanto, é que Laaf conseguiu mostrar o lado humano de cada um, como se os sentimentos que os guiassem em determinado momento é que os estivessem motivando a procurar a crueldade, e não apenas por serem naturalmente cruéis. Tanto é verdade que uma das passagens que mais gostei desse livro estava relacionada à "felicidade" de um dos principais vilões da história, e cheguei a torcer por ele.
 
Apesar dos detalhes que, em minha opinião, deixaram um pouco a desejar, a história é viciante. Senti falta de uma ou outra explicação, assim como no primeiro livro, mas acho que é mais um dos ingredientes que o autor está guardando para o próximo volume da série. Achei o fim do livro muito inteligente, e abre tantos novos caminhos que me deixou bastante curiosa pela continuação, que será lançada em breve.


Se quiser conhecer um pouco mais sobre Horizontes - Revelações, clique aqui.

Leia Mais
19 comentários
Compartilhe:

Valeapenalerdenovo #2


Livro da vez: Liberte meu Coração
Autor(a): Meg Cabot
Onde comprar: Cultura, Saraiva
Mais informações: Skoob



  • Porque ler Liberte meu Coração?
Estória gostosa;
Super indicada para quem gosta de romances leves e históricos;
A protagonista é tempestiva e forte;
Há muita química entre os protagonistas;
Te arranca umas boas risadas;
O livro te atrai de maneira indiscutível;
Apesar da leitura leve, não é um livro tão voltado aos jovens como uma boa parte dos livros da Meg Cabot, então não tem aquelas gírias chatas que me soam tão forçadas nos livros da autora;
Todos os personagens têm o seu tempo e de maneira alguma são esquecidos.
  • Porque não ler Liberte meu Coração?
Algumas partes do final poderiam ser retiradas do livro, pois perde um pouco do seu sentido (apesar de ainda continuarem bem legais);
A protagonista é, em algumas vezes (em poucas vezes), um tanto quanto enervante;


O que vocês acharam? Sua opinião é super importante para nós.
Boa leitura e até mais.

Leia Mais
17 comentários
Compartilhe:

Onde você está? - Marc Levy

Sinopse: O segundo romance do maior autor francês da atualidade, Marc Levy, conta a história de um belo e sobrenatural caso amor.
Apaixonados desde a infância, Susan e Philip enfrentam seu primeiro dilema, idealista, ela planeja se filiar a uma associação humanitária que presta socorro às vítimas hondurenhas do furacão Fifi, enquanto ele se apega ao sonho de uma tranqüila vida a dois em Nova York, onde inicia uma promissora carreira como desenhista de publicidade. Sob o argumento de que um projeto não anula o outro, apenas o adia, o espírito humanitário de Susan prevalece sobre o imediatismo de Philip. Mas logo ela se vê engolfada pelo ritmo alucinante de sua aventura na selva hondurenha, e ele é obrigado a se contentar com cartas e reencontros cada vez mais breves, até o dia em que acontece o inesperado - ele conhece Mary, que o encanta com a disponibilidade irrestrita de seu tempo e de seu amor. Agora Susan não pode mais adiar a escolha entre sua missão e Philip. O preço a ser pago é alto. Mas o futuro reserva uma surpresa para os amantes, que conduzirá sua história a um desfecho comovente e inesperado. (Skoob)
LEVY, Marc. Onde você está? Bertrand Brasil, 2002. 270 p.


Philip e Susan se conheceram muito antes de qualquer memória que um dos dois possam ter. A primeira foto juntos foi tirada antes dos dois anos e, em nenhum momento após isso, suas vidas se separaram. A amizade se transformou em algo mais, compartilharam os primeiros beijos e as primeiras experiências de amor, dividiram toda uma vida, a perda dos pais de Susan, suas dores e todas as consequências de cada passo. Mas agora Susan passaria dois anos fora para uma missão humanitária em Honduras, auxiliando vítimas de um furacão.

Os dois anos se transformam em três, quatro, e as cartas trocadas por aqueles que se amavam já carregam o ressentimento de estarem sozinhos, pois não são suficientes. Susan sente que é necessária em Honduras, e a vida de Philip se resume ao trabalho - até que ele conhece Mary, uma mulher encantadora e doce, que oferece a ele todo o amor para o qual ele está disposto a se entregar. Como diz a sinopse oficial: "Agora Susan não pode mais adiar a escolha entre sua missão e Philip. O preço a ser pago é alto. Mas o futuro reserva uma surpresa para os amantes, que conduzirá sua história a um desfecho comovente e inesperado".

"- Mas o que aconteceu para você estar me dizendo tudo isso?
- Nada. Nada mesmo. Bastou-me ver seu corpo se afastando de mim um pouco mais a cada noite, abrir meus olhos e vê-lo de costas para mim, quando antes percebia seu rosto adormecido, sentir suas mãos deslizarem sem vontade em minha pele, Deus, como eu odiei seus "obrigado", quando eu lhe beijava o pescoço. Por que você não trabalhou hoje até mais tarde? Como eu gostaria de ter resistido um pouco mais e não falado nada...
- Mas você está tentando me dizer que não me ama mais.
Mary saiu da cama e se virou para olhá-lo ao sair do quarto. Ele viu as curvas do corpo dela desaparecerem no escuro do corredor, esperou alguns minutos e foi até junto dela. Ela se sentara no alto da escada e olhava fixamente a porta de entrada um pouco abaixo. Philip ajoelhou-se atrás dela, abraçando-a desajeitadamente.
- Estava tentando lhe dizer o contrário.
Ela desceu os degraus, entrou na sala e fechou as portas atrás de si." (pág. 189)

Eu esperava de Onde você está?, de Marc Levy, um livro sobre amor. Sobre amor, reencontros, superação. E foi isso que eu encontrei. Amor em suas formas, amor construído, amor de se desgasta com a falta de cuidados, amor que persiste à distância e ao tempo. Amor de mãe e de pai, amor de filhos e irmãos, e de paradoxos. Tudo isso, colocado de uma maneira totalmente diferente do que eu esperava, que inicialmente até pensei que não iria gostar. Mas é bom nos enganarmos, não é? Eu me apaixonei pela história, mesmo que não tenha chegado perto daquilo que eu queria.

Susan é uma mulher impulsiva, segura, que é altruísta e egoísta ao mesmo tempo. Ela se importa com os outros, quer fazer o melhor para os que necessitam, entra na vida das pessoas para tentar fazer diferença por elas. Mas a sua própria vida fica de lado, os que ela ama ficam de lado, e o sofrimento que ela inflige a eles e a si mesma vão tornando seu dia a dia mais doloroso. Talvez seu medo de se entregar a um sentimento a impeça de viver sua própria vida, e se entregar de cabeça para salvar a vida de outros seja a forma que tem de se sentir sã.

Philip, no início, me pareceu meio bobinho. Não se impunha sobre nada e quase nunca percebia as entrelinhas de tudo o que acontecia ao seu redor. Mas com o tempo ele amadurece e se torna um homem admirável, apesar de ainda deixar de perceber alguns detalhes importantes de sua própria vida.

Mary é uma mulher realmente doce, que, diferente de Susan, se entrega totalmente a tudo o que sente e acredita. Seu amor por Philip e sua paciência, seu carinho com tudo o que constrói e até mesmo por algo inicialmente indesejado, mostram que ela às vezes deixa de lado a si mesma, pelo bem e a felicidade de outros.

Infelizmente não posso citar outros personagens, pois seria impossível não soltar spoilers, mas são todos indispensáveis e incrivemente maravilhosos e bem construídos. Como disse antes, a história é apaixonante e totalmente inesperada. Mas o detalhe que mais me impressionou e me apaixonou, de todos, foi, sem dúvida, a sutileza com que Marc Levy impregnou a narrativa, a doçura na visão de mundo de cada personagem e a crueldade que é a simples realidade da vida. Assim como em Um dia, nada acontece como se deseja, apenas para nos mostrar que pode haver muito mais depois.

Leia Mais
21 comentários
Compartilhe:

Tag: 11 perguntas

 
Boa tarde, pessoal! Finalmente consegui organizar minhas atividades para postar no blog ^^ Vocês não têm noção do que foi minha semana até agora ;~ Trabalho, faculdade, congresso. Mas... vamos ao que interessa!

Hoje vou postar uma tag que recebi de algumas pessoas ;) Da Sarah, do Ei Sarah!, da Sora, do Meu Jardim de Livros, e da Vanessa, do Diário de Incentivo à Leitura, em ordem cronológica. Por isso vou responder as questões da Sara e da Sora, que acho que já são o suficiente, né?

11 coisas a meu respeito:

1) Eu falo demais. Às vezes até me perco no que estava falando inicialmente, mas eu gosto muito de falar. Às vezes falo muita coisa sem sentido também, mas acho que as pessoas gostam, já que elas param para ouvir ;x
2) Morro de medo de não fazer nada de importante na vida. E também não decidi ainda o que de importante eu quero fazer.
3) Eu sou bem chorona, e não gosto muito disso. É vergonhoso chorar ouvindo música ou lendo dentro do ônibus. 
4) Eu sussurro músicas. Em alguns momentos, só faço nananã no ritmo. E isso acontece quase o tempo todo, inconscientemente o.Õ
5) Eu não gosto do frio, e o inverno do Sul não me ajuda. Meus pés e minhas mãos continuam roxas, mesmo com duas meias e luva ;\
6) Adoro cozinha e inventar comidinhas novas. Normalmente dá certo.
7) Minha agenda é rechada ;D Eu guardo vários bilhetinhos, entradas de cinema, e tudo o mais que possa me lembrar algum momento de determinada data. E sempre folheio minhas agendas antigas. Tenho até nota fiscal de coxinha, para ter noção ;x
8) Talvez o item acima e o número 3 aconteçam por eu ser canceriana. Eu até queria não acreditar muito nessa coisa de signo, mas fala sério!, ele me descreve direitinho.
9) Ainda pretendo viajar pelo mundo. Esses dias sonhei que estava embarcando para a França, mas o despertador tocou antes de o avião decolar.
10) Desde que ganhei meu primeiro celular, não desgrudo, e já destruí alguns deles de formas bizarras (caindo em cima dele, só como exemplo).
11) Fiquem contentes com as 10, tá? Eu tenho preguiça de pensar.


11 Respostas:

Da Sara:
1. Celebridade que você ama/surta quando vê ou simplesmente gosta muito?
Nenhuma. É claro que eu babo nos atores/cantores gatos, mas nunca fui de ter um favorito.

2. Se fosse homem, quem você gostaria de ser?
Ai, que coisa difícil. Não sei.

3. Novela mexicana ou novela brasileira?
Brasileira, com certeza. Depois que a gente aprende a perceber a qualidade da dublagem, fica impossível assistir às mexicanas.

4. Se sua vida fosse um seriado, qual seria a música tema?
Acho que ia mudar todo dia ;x

5. Quem é sexy?
Quem sabe ser. Eu gosto do Orlando Bloom, Hugh Jackman e o brasileirinho Rafael Viana.

6. Quem muitos dizem ser lindo-sexy-maravilhoso e você acha a coisa mais sem graça do planeta? (Tanto faz se é homem ou mulher)
Robert Pattison

7. Já leu romances de banca?
Sim, muitos! Lia muito desse estilo antigamente, quando não tinha dinheiro para comprar livros.

8. Vampiro ou Lobisomem?
Para que escolher se eu posso ter os dois?

9. Qual personagem (de livro, série, filme, anime etc) você tem a impressão de que é baseado em você?
Baseado em mim, não sei nenhum, seria pretensão demais dizer algo assim.

10. Personagem mais chato de todos os tempos?
Ever, da série Os Imortais. Ganha todas.

11. Qual é a pior coisa que alguém pode escrever num comentário no seu blog?
"Oi, gostei da resenha! Beijos." Acho que um comentário válido não custa muito.

Da Sora:

1. Quantos anos você tem?
22? Eu sempre esqueço.

2. Se pudesse viver em outra época ou lugar, qual seria?
Eu não faço idéia. Fica difícil assim, mas eu gosto de viver nessa época mesmo.

3. Qual sua sobremesa preferida?
Hmm, Pudim de Leite.

4. Quantos livros lê por mês?
Uns 5, mais ou menos.

5. Quem é seu personagem preferido dos livros ou filmes?
Rose, de Academia de Vampiros. Eu adoro o jeito totalmente às avessas dela (sou um pouquinho assim também).

6. Gosta de comer quando vai ao cinema, o quê?
Pipoca! .õ/

7. Qual cantor ou banda você chamaria para tocar na sua casa?
Acho que chamaria Roberto Carlos ;x Pode até ser meio brega, mas eu acho as músicas dele tão lindas ^^

8. Já realizou um sonho, qual?
Já, fiz uma cirurgia.

9. Se fosse um animal, qual seria?
Acho que ia ser um gato. Não que seja meu animal favorito, mas acho que sou um pouco parecida com eles.

10. Qual escritor gostaria de encontrar?
Pode ser dois? Eu queria muito entender a cabeça da Richelle Mead e da J.K. Rowlling.

11. Se pudesse mudar seu nome, qual nome teria?
Quando eu era criança, adorava ficar brincando com isso. Mas hoje escolheria o meu mesmo.



E como quase todos já devem ter feito esse meme e eu sempre quebro as regras, vou fazer isso de novo. Espero que gostem.

Beijos

Leia Mais
19 comentários
Compartilhe:

Caçadora de Estrelas - Claudia Gray

Sinopse: No primeiro livro da série Noite Eterna, Bianca revela seu surpreendente lado sobrenatural de uma maneira que o leitor jamais esquecerá. O que foi assustador para Lucas, não impediu que os dois continuassem se amando. Até que foram forçados a enfrentar a separação pelo bem de suas próprias vidas... Havia muitos segredos em jogo.
Em Caçadora de estrelas, um novo ano começa, e Bianca volta à escola Noite Eterna sabendo que já não terá a companhia de Lucas. Os desafios serão ainda maiores. As surpresas ainda mais assustadoras. Quem poderá ajudá-la a sobreviver em Noite Eterna? (Skoob)
GRAY, Claudia. Caçadora de Estrelas. Evernight #2. Planeta: 2010. 304 p.
 
Com o início de seu segundo ano na escola Noite Eterna, Bianca não se sente tão desesperada como no ano anterior. Apesar de não contar mais com a companhia de Lucas e nem ao menos saber quando o verá novamente, uma carta vinda por meio de Vic permite que ela tenha novas esperanças.

Mas a necessidade de alimentação adequada tem se tornado cada vez mais avassaladora e a presença de seres desconhecidos na escola a deixa cada vez mais assustada. Tudo isso junto ao fato de que uma pessoa importante para Balthazar ressurge nas cidades próximas, e a necessidade que Bianca e ele sentem da ajuda um do outro pode trazer uma proximidade inesperada entre os dois.


"- A primeira vez que percebi que não era só diversão e mágica... A primeira vez que soube que havia algo ruim em seu um... - olhei ao redor. Esta seção da livraria ainda estava deserta, mas evitei dizer a palavra, de qualquer modo - ... algo ruim nisso, foi quando percebi que eu nunca ia morrer, mas todos os meus amigos de Arrowwood iam. [...] Todos. Ficariam velhos e depois iriam embora, e eu ficaria sozinha. Isso me aterrorizou, porque percebi que, de todas as pessoas que eu amava no mundo, havia muito poucas que poderia manter.
Suavemente, Lucas segurou minha face com uma das mãos. Engoli o nó de minha garganta e continuei.
- Então tentei pensar no que eu poderia manter. Se existiria algo que pudesse ficar comigo para sempre.
- As estrelas - disse Lucas. - Você sabia que sempre teria as estrelas."


Assim como Noite Eterna, Caçadora de Estrelas continua cheio de emoções e surpresas. Não há tantas reviravoltas quanto no livro anterior, mas é preciso se manter atento durante toda a leitura, já que o suspense e as surpresas surgem dos pontos menos esperados. Os personagens agora estão melhor delineados, e já se sabe de quem esperar coisas ruins ou boas, pelo menos na maioria das vezes.

Aquilo que ficou pendente no livro anterior foi resolvido, mas as soluções trouxeram novas questões, que deixam para o enredo bons caminhos para sequência. Novos personagens - codinome problema - e situações que têm potencial para alterarem todo o rumo da história marcaram o fim da leitura, o que nos deixa sem saber muito bem o que esperar de um próximo livro.

A agressividade que eu esperei no triângulo Lucas - Bianca - Balthazar finalmente se mostrou, e deu uma maior graça ao romance que estava meio morno. Balthazar, por sinal, é meu favorito, já que o Lucas me provoca uma sensação meio "pesada", e não me deixa suspirando, como era para ser. Não que ele não seja um personagem bom ou bonitinho, mas sinto que o romance dele e de Bianca é um pouco infantil, sem graça, e Balthazar é tão maduro e atencioso que não há como não suspirar por ele.

Caçadora de Estrelas se mostrou melhor que seu antecessor: me senti muito mais envolvida com os dramas, os personagens e o fim deste livro me deixou mais curiosa para ler a continuação. Durante a leitura, me sentia grudada às páginas, mas a trama ainda se prendeu ao patamar das "boas", sem ser, por enquanto, nadinha mais que isso.
Se quiser conhecer um pouco mais sobre Noite Eterna, clique aqui.

Leia Mais
23 comentários
Compartilhe:

Horizontes: Revelações - Roberto Laaf

Sinopse: Ana Clara possui um raro dom de premonição que lhe permite saber quando uma pessoa tem a vida ameaçada, bastando o mínimo de contato físico com ela para que terríveis visões de assassinato fervilhem em sua mente.
Depois de adormecido por vários anos, o dom de Ana Clara ressurge de forma inesperada, trazendo-lhe visões apavorantes com sua melhor amiga sendo brutalmente assassinada.
Sua angústia é saber que, em todas as vezes que seu dom se manifestou, as pessoas em suas visões morreram. E, agora, ela deseja desesperadamente evitar o assassinato de sua amiga.
---
“De uma varanda do terceiro andar no prédio em frente, a apenas cerca de 25 metros de distância, o assassino mantinha o olho direito na mira telescópica de seu rifle, observando o estrago que acabara de fazer...” (Skoob)
LAAF, Roberto. Horizontes - Revelações. Alcantis, 2010. 163 p.


Ana Clara é uma médica veterinária que trabalha na clínica Pet’s Health, de Matheus, há alguns anos. Apesar de não ter um namorado, não sente falta disso, e encontra a companhia que necessita junto aos amigos, principalmente junto à sua melhor amiga Clarisse. A protagonista até passaria por uma garota normal, não fosse seu semblante sempre sério e carregado, em virtude das perdas que sofre desde a infância: seus pais foram brutalmente assassinados e, pior que isso, ela previra as mortes, mas não pode fazer nada para evitar.

Depois de tantos anos sem essas visões que lhe alertavam quando alguém próximo corria perigo de vida, Ana Clara recebe outro aviso: Clarisse será assassinada. E mesmo sem saber ao certo o que fazer para proteger a amiga, Ana Clara tenta de todas as formas mantê-la fora de perigo, desconhecendo o perigo que ela mesma corre. Embora não saiba, o assassino de seus pais saiu recentemente da prisão, e não é em todo mundo que se pode confiar.

"[...] Não conseguia, ou melhor, não podia acreditar no que lhe havia acontecido. Depois de tantos anos, não esperava mais passar por aquilo, contudo, o que mais estava deixando Ana Clara abalada não era exatamente o retorno daquelas estranhas visões, era saber, pela visão em si, que a vida de Clarisse estava em perigo." (pág. 27)

Horizontes – Revelações é o primeiro livro da série escrita por Roberto Laaf, e tem como ingredientes principais mistério, suspense, ação e um toque de drama. A narração do autor é gostosa, apesar de ainda não ter me decidido se o fato de ser rápida e direta seja bom ou ruim, já que pode entregar demais ou simplesmente ir direto ao ponto.

A trama bem elaborada e emaranhada dá um toque todo especial e os mistérios deixam uma curiosidade no ar e, apesar de não durarem muito, por serem esclarecidos, logo dão lugar a outros ainda mais instigantes. Talvez essa solução rápida das situações seja, na visão de muitos, algo que prejudique o envolvimento com a história, mas em minha opinião, nesse primeiro livro, os fatos foram colocados de maneira desafiadora o suficiente para manter acesa a curiosidade. A falta de um "ápice", ou a minha não percepção desse, também não prejudica a leitura, pois não diminui a vontade de chegar ao fim.

Quanto às personagens, não consegui criar uma identificação com nenhuma delas. Mesmo que tente se passar determinada imagem de cada uma e um perfil previamente definido, senti falta de fatos, acontecimentos que comprovassem isso, seus modos de ser, já que, infelizmente, somente citar algo não consegue me convencer.

Um ponto muito positivo da narrativa é a escrita impecável de Laaf. Não encontrei erro algum, seja de digitação ou ortografia, e isso conta muito a favor de um autor e uma editora. A capa do livro se encaixa bem na série, as folhas são brancas e o título não poderia ter sido melhor escolhido. A história deixa ainda alguns detalhes em suspenso, que espero encontrar nos próximos livros da série.

Leia Mais
19 comentários
Compartilhe: