Pequenas Grandes Mentiras - Liane Moriarty

Sinopse: Com muita bebida e pouca comida, o encontro de pais dos alunos da Escola Pirriwee tem tudo para dar errado. Fantasiados de Audrey Hepburn e Elvis, os adultos começam a discutir já no portão de entrada, e, da varanda onde um pequeno grupo se juntou, alguém cai e morre. Quem morreu? Foi acidente? Se foi homicídio, quem matou? Pequenas grandes mentiras conta a história de três mulheres, cada uma delas diante de uma encruzilhada. (Skoob)
MORIARTY, Liane. Pequenas Grandes Mentiras. Editora Intrínseca, 2015. 400 p.

As pequenas mentiras são as piores mentiras. Por quê? Porque elas passam mais facilmente por verdades. Por isso o título da obra de Moriarty, Pequenas Grandes Mentiras, não poderia estar mais condizente com a história, uma vez que as verdades que as personagens principais escondem, levam, aos poucos, as vidas delas para a beira do precipício.

Esse pequeno parágrafo pode induzir você a pensar que elas fazem isso por algum deslize, ou falta de caráter ou algo do tipo. Não, é uma conclusão errada. O que elas escondem é o mesmo que milhares de mulheres e crianças, que vivem na vida real, também escondem. Em algum ponto, você irá se identificar, ou identificar alguém que você conhece.

Madeline é casada pela segunda vez e tem três filhos. Aos quarenta anos, começa a ter um vislumbre do medo da velhice. Abigail, a filha adolescente, é rebelde e é fruto do primeiro casamento. A relação de Madeline com o ex-marido é conflituosa, principalmente com Bonnie, a atual esposa dele, e pelo fato de Abigail ter um comportamento mais amigável com o pai. Abigail esconde algo da mãe, mas Madeline também esconde algo do marido atual.

Celeste tem um casamento perfeito com Perry, além de ser mãe de dois meninos gêmeos, Max e Josh. Perry viaja muito, mas sempre tenta estar disponível para Celeste, além de ser um pai dedicado e preocupado. Celeste é linda, inteligente, invejada por quase todas as mulheres. Mas atrás do casamento perfeito, existe algo de errado entre Celeste e Perry. Algo assustador. Algo que um dos filhos assiste de vez em quando.

Jane é jovem, mãe solteira de Ziggy, que foi fruto de uma relação de apenas uma noite. Jane se muda para a cidade onde Madeline e Celeste vivem, procurando uma forma de melhorar de vida e poder colocar o filho em uma escola de boa qualidade. Jane é decidida, simples, totalmente focada na educação do filho. Mas Jane esconde algo em seu passado, algo que a persegue e a assombra de noite com pesadelos.

Então, temos mais duas personagens que, embora não sejam as principais, também são centrais na história: Renata, uma mulher bem-sucedida, rica, mãe de Amabella (com M); e Bonnie, a esposa do ex-marido de Madeline, mãe da pequena Skye.

Madeline e Celeste são amigas, e Jane conhece Madeline por acaso, em um pequeno acidente. As cinco colocam os filhos na mesma escola. No primeiro dia, Ziggy é acusado de agredir a filha de Renata, ele nega, e não há provas, apenas a palavra da menina assustada. A partir desse incidente, começa uma guerra entre Madeline, Celeste, Jane, contra Renata e os restantes pais, que vai culminar em um assassinato.

A obra é narrada em terceira pessoa, e ao fim de cada capítulo, existem depoimentos de várias pessoas, conhecidas na história, ou não, contando a versão delas sobre as cinco mulheres e sobre os acontecimentos que levaram até aquela noite fatídica da morte de alguém para a polícia. Os únicos personagens que não aparecem nesses depoimentos, são as cinco mulheres. Então, o leitor fica, desde o início, na dúvida sobre qual delas poderá ter morrido. Ou não.

Entretanto, o crime não é a força motora da história, pelo contrário, serve apenas como adereço, porque o verdadeiro interesse que pega o leitor pela mão e o carrega pelas páginas, são os segredos que cada uma das personagens esconde. Eles são revelados aos poucos, sem pressa, através de pequenos detalhes que vão aumentando, aumentando, até que o leitor consegue compreender e confirmar o que está realmente acontecendo na vida de cada uma delas.

Pequenas Grandes Mentiras é uma obra importante, principalmente em uma época em que se discute tanto sobre machismo e violência contra a mulher. A autora consegue passar com clareza a confusão e a dificuldade que muitas esposas, namoradas ou garotas solteiras enfrentam diariamente, e como o sexo masculino se comporta diante delas. Mas a autora não grita apenas apontando o dedo para a ferida, ela cutuca e mostra possíveis soluções, ela não é passiva, ela faz as personagens terem atitudes que incentivam mulheres em situações semelhantes a fazerem o mesmo.

Como se isso já não fosse suficiente para tornar o livro obrigatório, incrível, a autora vai mais longe: ela mostra como as mulheres conseguem comandar uma família e uma profissão de uma forma que a maioria dos homens não consegue, ou sofrem horrores para conseguir. Como eles tentam, e, na maioria das vezes, conseguem, amedrontar e forçar aquilo que desejam pela força bruta ou pela ameaça física. Como um distúrbio psicológico, que se não for tratado, pode destruir uma relação e influenciar crianças, que não compreendem o que está acontecendo. E como essas mesmas crianças, por não compreenderem, começam a repetir, achando que não estão fazendo nada de errado.

Pequenas Grandes Mentiras é um livro extremamente bem escrito e com uma narrativa pulsante e emergente. Ele é minucioso nos detalhes, não na descrição, mas nos diálogos e nos comportamentos de cada personagem. Ao final, quando descobrimos quem morreu, e da forma que morreu e porquê morreu, testemunhamos não apenas a conclusão de uma história, mas como pessoas ligadas pela cumplicidade dos problemas da vida, e de um gênero sexual que sofre constantes abusos, conseguem ser fortes e unidas quando a necessidade impõe.

Leia Mais
3 comentários
Compartilhe:

Promoção: Jogo de Espelhos


Já falei para vocês que amei Jogo de Espelhos, de Cara Delevingne, publicado recentemente pela Editora Intrínseca? Posso até não ter usado essas palavras, mas tenho certeza que escrevi que considerei a "a leitura tão boa a ponto de já estar listada entre as melhores do ano" na resenha do livro. E é exatamente por isso que quero que todo mundo leia e, em parceria com a Editora, o Conjunto da Obra vai sortear um exemplar do livro para um leitor do blog.

Para participar é simples! Basta seguir o blog Conjunto da Obra pelo Google Friend Connect (clicar em "Participar deste site" na barra lateral direita) e preencher essa entrada no formulário. Depois, várias outras entradas serão abertas, para quem quiser ter ainda mais chances.

a Rafflecopter giveaway

As inscrições serão feitas por meio da ferramenta Rafflecopter. Para os que ainda têm dúvidas sobre como utilizá-la, podem ver este tutorial aqui. As inscrições são válidas até dia 10 de dezembro, e o resultado será divulgado em até 7 dias, neste mesmo post.

Após o resultado, o Conjunto da Obra entrará em contato com o vencedor por e-mail, que deverá ser respondido em até 24 horas. O exemplar será remetido pela Editora Intrínseca.

Boa sorte a todos!

Leia Mais
8 comentários
Compartilhe:

Como meu diário pessoal e secreto se tornou um sucesso - Julia DeVillers

Sinopse: Jane tem catorze anos e é uma adolescente como todas as outras. Mas, um dia, seu diário é lido em voz alta na classe e enviado para uma editora.De repente, o diário de Jane vira uma sensação, e ela se torna uma escritora de sucesso!
Da noite para o dia, a vida dela vira de cabeça para baixo: entrevistas, festas cheias de personalidades, assédio de fãs! Mas o melhor de tudo é que Marco Vega, o cara mais gatinho da escola, finalmente descobre quem ela é! (Isso mesmo! Marco Vega! Cabelo preto liso. Olhos cor de chocolate. Ele é tão...tão...gostoso. E poeta. Que profundidade! Que paixão!) Nesse romance bem-humorado, Jane descobre que entrar para o glamouroso mundo das celebridades muda tudo-mas as coisas que realmente importam são sempre as mesmas. (Skoob)
DEVILLERS, Julia. Como meu diário pessoal e secreto se tornou um sucesso. Melhoramentos, 2005. 247p.


Esse é um dos meus livros preferidos e eu tive sorte de ter encontrado ele porque foi numa livraria a qual eu fui pouquíssimas vezes e logo fechou, e eu nunca mais vi em livraria, em blogs, nada. Eu não sei se saberia da existência desse livro se não fosse assim. 

Quando eu li esse livro, eu me vi muito na Jane e eu tinha o sonho de ser escritora e ver alguém tão novo alcançando tudo isso foi bem legal. Óbvio que poderia também ter colocado falsas expectativas na minha cabeça, porque por mais que eu ame o livro, eu sei que não é muito realista. Porém eu não me lembro disso acontecer. E bom, acho que todos conhecemos pelo menos um exemplo de famoso mirim. E algum exemplo de pessoa de qualquer idade que teve sucesso meio que do nada.

O livro que Jane escreveu era sobre uma super-heroína que luta contra garotas que praticam bullying. Então, ela meio que se torna um modelo e uma heroína também para as fãs dela. E o livro em si também traz umas ideias bem positivas como de ir contra os padrãos de beleza. Inclusive, além das garotas da escola dela, o que a fez escrever essa história no diário foi como ela se sentia com relação ao corpo, seja pelo que as colegas diziam e também o que ela mesma sentia ao olhar para as famosas. Assim, ela criou a personagem Isabella, que é parte do que ela é, e parte de como ela queria ser: não se importar com a sua aparência, confrontar as pessoas que a perturbam. A Jane consegue ter seus momentos de IS (nome de heroína da Isabella), mas, como ela é humana, só depois de fazer várias coisas que a IS desaprovaria.

A parte da fama dela também é muito legal nesse aspecto porque ela vê que algumas das atrizes e modelos que ela admirava são tão feias por dentro quanto bonitas por fora, e até o clássico de que as que interpretam as vilãs que ela odeia são mais boazinhas que as que interpretam as mocinhas. 

Também tem toda uma parte de ela passar a ter agente, assessor, e eles quererem mudar várias coisas a respeito dela ao treinar ela para entrevistas e aparições e o quanto isso é irônico considerando o motivo pelo qual ela é famosa, e como ela vai lidar com isso com a auto-estima já baixa que ela tem. Além dos haters e ser sobrecarregada. Como meu diário pessoal e secreto se tornou um sucesso mostra praticamente tudo que artistas mirins/adolescentes enfrentam tirando drogas e assédio sexual.

Leia Mais
7 comentários
Compartilhe:

Ruínas de Gelo - Kel Costa

Sinopse: Uma nova ascensão.
Um elo de sangue sem precedentes.
Um poder capaz de transformar o mundo.
Na última parte da série Fortaleza Negra, Sasha precisa enfrentar as consequências de seus mais recentes atos. A caça aos mitológicos se intensifica e a jovem se torna peça fundamental na batalha que se aproxima.
Amor, amizade e lealdade se entrelaçam a cada nova decisão que precisa ser tomada antes que o cronômetro pare de rodar. (Skoob)

Livro recebido em parceria com a Editora
COSTA, Kel. Ruínas de Gelo: O Confronto Final. Fortaleza Negra #3. Ler Editorial, 2017. 372 p.


Depois do final arrasador de Tempestades de Sangue, estava curiosa e receosa para conferir o que Kel Costa tinha preparado para o fim da série Fortaleza Negra no tão aguardado Ruínas de Gelo. Desde já, posso afirmar que o livro não decepcionou, mas percebi alguns pontos que poderiam ter sido melhor explorados para criar uma trama ainda mais surpreendente. Não foram, mas isso não tira o brilho da série e não diminui o fato de que Kel Costa tem uma escrita absurdamente viciante.

Repleto de ação, mistérios e romance, o terceiro volume volta com tudo que os anteriores tinham de melhor. Nada em exagero, mas o importante é que não deixa de lado aspectos que fizeram a série ser o que ela é. E é claro que alguns mistérios novos aparecem, só para temperar ainda mais a trama que já estava pegando fogo.

Sasha foi meu único problema durante a série, e já tinha comentado isso nas resenhas anteriores. A garota era irritante e intransigente e, se ela me irritava, não consigo nem imaginar o que os mestres sentiam. Porém, no segundo livro já tinha percebido uma evolução da personagem e agora foi ainda mais nítido o quanto Sasha amadureceu. Além de deixar de lado as motivações egoístas, ela começou a pensar no contexto, nas consequências de seus atos, o que a tornou uma personagem mais madura e responsável. Claro que a língua afiada continua lá, mas dessa vez só serviu para fazer rir um pouco.

"Eu me sentei na cama e a encarei. Apesar de cansada, seus olhos estavam fixos nos meus e mostravam um amadurecimento que eu não notei chegar. Sasha estava diferente, tinha um olhar duro e decidido. Tão nova e já havia suportado tantas dificuldades. Parecia muito distante daquela garota a quem eu precisava proteger e carregar no colo a todo instante."

Isso também contribuiu para o amadurecimento da relação a protagonista e de Mikhail. Os dois continuam a se provocar, mas esse deixou de ser o ponto central do relacionamento. Há cumplicidade agora, como se pudessem conversar como iguais e decidirem juntos os próximos passos. Ninguém precisa mandar ou obedecer. O vampiro bruto também está mais fofo, e algumas cenas entre os dois amoleceu completamente meu coração.

Assim como nos livros anteriores, Kel Costa também traz alguns capítulos narrados por outros personagens importantes, como Klaus, Kurt e Mikhail. Achei essas passagens bastante relevantes, em especial porque nos dá um ponto de vista diferente sobre o mesmo acontecimento. A parte mais divertida, porém, foi acompanhar os "maus tratos" que Klaus infligia a Kurt, que fazia o coraçãozinho do rapaz explodir de felicidade. Definitivamente, Kurt é o melhor personagem dessa série, e fico feliz que a autora tenha dado alguns momentos bons para ele. Também gostei muito da participação de Klaus nesse livro. De alguma forma, o mestre conseguiu me cativar e eu achei muito fofo a forma como ele se vinculou a Sasha.

"- Você não vai ouvir isso muitas vezes de mim, então ouça com atenção - ele fez uma pausa e me encarou. - Eu te amo, Aleksandra!"

Acho que o final do livro, por mais inesperado que fosse, tornou as coisas um pouco mais fáceis para Sasha, já que ela não teve que tomar, de fato, uma decisão. Fora o desentendimento com os pais, todos os outros possíveis problemas desapareceram e até Nadia, que podia dificultar bastante, teve que baixar a cabeça e aceitar. Ainda assim, Kel Costa conseguiu justificar os acontecimentos de forma bastante satisfatória e fez disso algo razoável.

A única reclamação que eu tenho, de fato, é que esse último volume se voltou para Sasha e deixou de lado todas as intrigas políticas que eu tanto tinha gostado no livro anterior. Temas como o tráfico de sangue e a captura dos traidores, que podiam ter rendido bons momentos e revelações, foram comentados muito superficialmente e continuaram sem resolução. Achei uma pena que tenha faltado esse fechamento.

De qualquer forma, Ruínas de Gelo foi uma leitura incrível, do tipo que nem se percebe passar, e deu um bom fechamento para uma série original e repleta de bons momentos. Com um pouquinho dos principais elementos que fazem uma boa trama, a série Fortaleza Negra é uma ótima opção de leitura para quem gosta de fantasia e quer curtir uma boa história escrita por uma autora nacional.


Leia Mais
6 comentários
Compartilhe:

Corpo - Audrey Carlan


Sinopse: "Eu te amo. Eu te quero. Eu nunca vou te deixar." Gillian Callahan entra em pânico só de ouvir esse tipo de frase. Por anos ela viveu uma relação abusiva com seu ex-namorado violento. Agora ela está livre e segura, trabalhando para uma fundação de apoio a mulheres vítimas de violência - a mesma que a resgatou e salvou sua vida. Gillian não quer saber de homem nenhum. Até conhecer Chase Davis, o presidente da fundação. O bilionário é tão sexy e sedutor que Gillian fica sem chão. Chase sempre consegue o que quer - e ele quer Gillian.Agora ela terá de enfrentar a batalha entre o desejo e o medo. Gillian vai conseguir confiar em Chase? Ela está segura com ele? E quão perigoso pode ser um passado sombrio... não só o dela, mas o do homem que ela aprendeu a amar? (Skoob)


Livro recebido como cortesia da Editora
 CARLAN, Audrey. Corpo. Editora: Verus, 2017. 364 p.


"Uma nova vida. Um novo amor. Um perigo real."

Corpo é o primeiro volume da série Trinity, escrito pela autora Audrey Carlan, que ficou conhecida aqui no Brasil pela série A garota do calendário, também publicada pela Editora Verus. 

Gillian tem um passado traumático e marcado por muita violência, ela sofreu abusos físicos e psicológicos de um ex-namorado e quase foi morta pelo mesmo. Tentando seguir em frente sua vida, ela passa a ser parte de uma fundação que cuida de mulheres que foram vítimas de violência doméstica, com o intuito de ajudá-las a se reerguer e deixar o passado para trás. 

Na noite anterior a uma reunião, ela conhece o presidente da fundação, Chase. A química entre eles é forte e explosiva, porém, com seu passado conturbado, Gillian tem medo de homens que, assim como ele, exalam poder e acaba saindo, com medo de se envolver.

"Eu só quero uma vida normal - uma vida sem dor."

Mal sabe ela que o homem que despertou seu corpo como ninguém antes é ninguém menos que seu chefe e presidente da fundação, um homem podre de rico que não aceita um não como resposta e está disposto a fazer de tudo para tê-la em sua cama. 

Chase é um personagem um tanto que estereotipado: ele é bonito, rico e um deus grego na cama, mas ele se mostrou um personagem incrível. Ele é bem resolvido em relação aos seus sentimentos e isso para mim foi uma surpresa, afinal, livros com uma trama como essa na maioria das vezes trazem personagens masculinos que não querem relacionamentos e guardam muitos segredos, o que não acontece muito aqui. 

Chase tem uma veia possessiva e para Gillian lidar com isso foi difícil porque, querendo ou não, ele a fazia lembrar do seu passado, porque para ela posse não é amar, é dor e sofrimento. O amadurecimento do casal no decorrer da trama foi incrível, ela se descobrindo uma nova mulher e aprendendo a lidar com tudo o que já lhe aconteceu e ele sendo um dos seus portos seguros. 

"Eu gosto que ele seja ciumento e possessivo. Toda garota precisa de um pouco disso para se sentir desejável. Desde que ele mantenha o ciúme no nível mínimo, vamos ficar bem."

Gillian é uma mulher que, sem dúvida, é digna de admiração, ela teve um passado bem difícil e, apesar de até hoje ainda sofrer as consequências do ocorrido, tenta sempre seguir em frente sem se deixar abater, afinal, ela tem que ser forte para ajudar mulheres que assim como ela sofreram esse tipo de violência. 

Como comentei anteriormente, Chase é bem possessivo e em 75% do tempo isso não foi exatamente um problema para mim. No entanto, em algumas partes, eu realmente não conseguir aceitar e engolir a maneira como ele queria tomar controle da vida dela, minha vontade era de sacudi-lo e mandá-lo parar. 

Eu gostei como a autora falou de assunto tão atual, que é a violência, e mostrou de maneira nada sutil as consequências que isso deixam na vida das pessoas que sofrem. Ela aborda assuntos como abuso, estupro e violência física e psicológica por meio de vários relatos do passado de Gillian e só aqui percebi o quanto de resiliência ela precisou ter para continuar seguindo em frente. 

"- Corpo, mente e alma são importantes para nós quatro, mas para mim, particularmente, a tatuagem representa o passado, o presente e o futuro. Elas sempre vão fazer parte do meu passado, do meu presente e do meu futuro também."

O desenvolvimento dos personagens secundários foi incrível, temos vários personagens como: Bree, Kat e Maria, que são melhores amigas de Gillian e seu porto seguro nos momentos difíceis. Um ponto que para mim foi bem positivo é o fato de que a autora não teve medo de explorar a sexualidade da personagem. Isso pode ser um pouco contraditório, levando em conta o tema central do livro, mas, ainda assim, foi algo que não fugiu muito do que eu já esperava.

O segundo livro já foi lançado e tem como nome: Mente, eu estou bem ansiosa para saber os acontecimentos dos próximos livros. Recomendo a leitura, para quem gosta de livros eróticos, com drama e uma bonita história de superação.

Leia Mais
7 comentários
Compartilhe:

Corte de Espinhos e Rosas - Sarah J. Maas

Sinopse: Em Corte de Espinhos e Rosas, um misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance. Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar uma fada zoomórfica transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira que ela só conhecia através de lendas , a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... Ou Tamlin e seu povo estarão condenados. (Skoob)
MAAS, Sarah J. Corte de Espinhos e Rosas. Editora Galera, 2015. 434 p.

Após muito prolongar a leitura de Corte de Espinhos e Rosas, aproveitei que uma amiga estava lendo e a acompanhei. Eu não sabia bem o que encontraria, mas fiquei surpreso por se tratar, na sua maior parte, de uma releitura do clássico A Bela e a Fera. Existem trechos que são muito parecidos, além do casal principal, óbvio. Entretanto, também existe muita coisa diferente, como o mundo onde se passa a história, os poderes dos personagens, a presença de vários monstros e inimigos, além de toda uma fantasia que é bastante original e intrigante.

A relação entre o casal principal, Feyre (a Bella) e Tamlin (a Fera), segue o mesmo roteiro do clássico infantil: medo, repulsa, aceitação, curiosidade, simpatia, admiração e, finalmente, amor. A forma como tudo isso acontece é natural, sem pressa, convincente. Aliás, essa é uma das características positivas da obra: a autora narra tudo sem pressa, com os detalhes necessários para o leitor se acostumar e aceitar as coisas fantásticas que estão acontecendo, e tudo isso sem ser maçante, ou ter partes desnecessárias, o que é difícil de se conseguir.

Feyre é uma garota autoritária, atrevida, que não aceita as coisas de forma diferente daquelas que ela planeja. Isso se deve ao fato de carregar nos ombros a responsabilidade de prover alimento e proteção para seu pai e as duas irmãs. Essa personalidade se mantém por toda a história, e somada à coerência das decisões que Feyre toma, demonstra o cuidado que a autora teve com seus personagens.

Tamlin é inicialmente o vilão que se transforma em herói ao longo da história. Por quase todo o livro, ele é a presença ameaçadora que mantém todos ao seu redor protegidos das ameaças externas, ao mesmo tempo que consegue demonstrar um carinho e uma paixão por Feyre. Essa dureza em choque com sua leveza é a mesma do clássico infantil, e funciona muito bem no livro.

Apesar de Feyre e Tamlin serem os personagens principais, dois secundários roubam o interesse do leitor de forma inequívoca: Lucien, o amigo mais próximo de Turien e seu braço direito; e Rhysand, o inimigo natural de Tamrin.

O leitor nunca sabe quem é Lucien. Ele gosta de Feyre? Ele odeia? Ele realmente é amigo de Turien? Ele tem algum plano secreto? Ele é mau? Ele é bom? A dualidade do personagem conquista na mesma proporção que surpreende. Ao mesmo tempo que ele ajuda Feyre, nessa atitude ela acaba entrando em perigo. Da mesma forma que ele é simpático, ele consegue ser ameaçador. Não há como ficar impassível diante do personagem. Excelente!

Já Rhysand, apesar de ser o inimigo do herói do livro, consegue criar uma empatia com o leitor por suas atitudes com Feyre e por demonstrar que, no fundo, ele não é tão mau assim. Ele poderia até conseguir ser mais interessante que Lucien, mas a autora cria um interesse romântico com Feyre, formando um triangulo amoroso que diminui a força do personagem.

E esse é um dos pontos negativos da obra: o triangulo amoroso. Realmente não há qualquer necessidade dele existir. Fica definido de forma bastante convincente que Feyre ama Tamlin, e lá para o fim do livro, quando Rhysand aparece e demonstra interesse em Feyre, fica algo deslocado, forçado, principalmente as coisas que acontecem em uma determinada prisão.

Deslocado também ficam algumas partes mais quentes do romance de Feyre com Tamlin. Tentar explicar: no meio da história, quando o casal já está apaixonado de forma tão inocente quanto o clássico infantil, a autora solta uma frase de Feyre: senti um molhado entre as pernas. Eu meio que arregalei os olhos e estranhei algo tão explícito de uma hora para outra, uma vez que até aquela parte, não havia nada de hot na história. E depois dessa parte, aparecem mais duas ou três com descrições de seios nus, garras e dentes afiados nos seios e em outras partes do corpo. Ficou muito estranho, deslocado. Foi como assistir ao desenho da Disney e ver a Bella transar com a Fera.

Ainda preciso reclamar de mais um ponto, que é sobre a verdadeira vilã da história, que só aparece no final. Ela é patética. E as atitudes que ela toma, quando está com toda a situação controlada, são dignas daqueles vilões megalomaníacos que fazem de tudo para serem vencidos pelo herói. Desfalcou a intensidade da aventura e descaracterizou a força dos personagens.

Mas, apesar desses percalços, o saldo ainda é positivo, e confesso que gostei do livro. Tanto que pretendo ler o segundo volume, onde já me contaram que não existe mais o triangulo amoroso e onde os acontecimentos são muito melhores. Ainda bem!

Leia Mais
7 comentários
Compartilhe:

Promoção: Aniversário Roendo Livros


Sentiram falta de promoções novas aqui no blog? Pois é, acho que estou precisando trazer mais sorteios, mas por hoje o assunto está resolvido!

Para comemorar os quatro anos do blog do Roendo Livros, a Ana pediu uma super ajuda para as editoras e blogs parceiros e montou quatro sorteios, um em cada domingo do mês. Cada promoção presenteará um leitor sortudo com livros mais que incríveis. Esse é o segundo sorteio, os demais podem ser acompanhados lá no Roendo Livros.

Parceiros Participantes 

Grupo Companhia das Letras: O Beijo Traiçoeiro (Erin Beaty) & O Bazar dos Sonhos Ruins (Stephen King)
Conjunto da Obra: Respeitável Público (Henrique Schneider)
Refúgio Literário: Notas Sobre Ela (Zack Magiezi)
Livros & Seriados: O Destino do Tigre (Colleen Houck)

Prêmios


Regras

- A promoção terá duração de um mês, do dia 12/11 ao dia 12/12;
- As opções obrigatórias valem 1 ponto cada, enquanto as opcionais valem 5 pontos cada;
- A entrada "tweet about de giveaway" só será válida se a pessoa estiver seguindo todos os os Twitters;
- Na opção "Visitar a Página" não basta apenas passar por ela, é preciso curtir;
- Após o término da promoção, o Roendo Livros tem até sete dias úteis para divulgar o resultado;
- O ganhador tem 48h para responder o e-mail com os dados de envio, caso contrário o sorteio será refeito;
- Após feito o contato, o prêmio será enviado dentro de até 60 dias úteis;
- É obrigatório residir em território nacional ou ter endereço de entrega no Brasil;
- Os livros serão enviado pelos parceiros, sendo assim, o Roendo Livros não tem nenhuma responsabilidade sobre o envio dos mesmos;
- O Roendo Livros e os parceiros não se responsabilizam por extravio ou atraso na entrega dos Correios, bem como danos causados nos livros. Assim como não se responsabilizam por entrega não efetuada por motivos de endereço incorreto, fornecido pelo próprio ganhador, e/ou ausência de recebedor. Os livros não serão enviados novamente;
- O Roendo Livros se reserva ao direito de dirimir questões não previstas neste regulamento;
- Este concurso é de caráter recreativo/cultural, conforme item II do artigo 3º da Lei 5.768 de 20/12/71 e dispensa autorização do Ministério da Fazenda e da Justiça, não está vinculada à compra e/ou aquisição de produtos e serviços e a participação é gratuita. 

a Rafflecopter giveaway

Leia Mais
8 comentários
Compartilhe:

Nunca Deixe de Acreditar - Christina Rickardsson

Sinopse: Eu nasci no Brasil e vivi em uma caverna até os meus cinco anos de idade. Mais tarde, minha mãe e eu nos mudamos para uma das inúmeras favelas da cidade de São Paulo. Aprendi desde cedo a não confiar na polícia e nem em outros adultos. Fui obrigada a cuidar de mim mesma e do meu irmãozinho antes de, finalmente, irmos parar em um orfanato. Um ano depois, quando eu tinha oito anos de idade, fui adotada por uma família sueca de Vindeln, em Västerbotten. Em Nunca deixe de acreditar, Christina conta a história de sua vida como menina de rua no Brasil, da fome que passou, de como foi maltratada e da separação de sua mãe biológica e de seu país. Além disso, conta como foi crescer na Suécia com todos os choques culturais com os quais se deparou assim que chegou à pequena cidade localizada na região de Norrland. A autora revela como conseguiu, já na idade adulta, superar os seus traumas de infância e reconstruir sua vida. Quando sente que necessita repor as forças e as energias, ela dispõe de um truque muito especial: salta de paraquedas de um avião, praticando a queda livre durante sessenta segundos, até que o paraquedas se abra. Saber cair em pé é útil em todas as ocasiões! Aumentar a consciência e a compreensão das diferenças, dos preconceitos e do choque cultural é um dos objetivos da jornada de Christina e, ao fazê-la, construir pontes para criar diálogo, tolerância e abertura na sociedade. Esta é uma comovente história sobre amor, tristeza, amizade e perdas. Christina fala de sobrevivência, de como dois mundos totalmente diferentes contribuíram para a sua formação e de como lutou para unir as duas pessoas que tinha dentro de si mesma. (Skoob)

Livro recebido em parceria com a Editora
RICKARDSSON, Christina. Nunca Deixe de Acreditar. Editora: Novo Conceito, 2017. 256 p.


Quando pedi o livro Nunca Deixe de Acreditar, não imaginei que seria uma leitura tão marcante para mim. Só me interessei pelo livro porque a autora nasceu em Diamantina – MG, que é onde eu moro atualmente, mas ela conseguiu me surpreender ao longo da narrativa.

Christina Rickardsson é uma mulher brasileira e sueca que já passou por muitas coisas difíceis na vida, a maior parte delas antes dos oito anos de idade. Ela nasceu em Diamantina, uma cidade histórica no interior de Minas Gerais, lá ela morava em uma caverna com sua mãe e de vez em quando iam até a cidade pedir dinheiro e comida. Elas ficaram na caverna por muito tempo, até que foram perseguidas e tiveram que sair. Então elas foram para São Paulo, onde moravam na rua e, posteriormente, Christina e seu irmãozinho, Patrique, foram para um orfanato onde viveram por um ano, até serem adotados por um casal sueco.

Uma das coisas que mais me surpreenderam ao longo da leitura foi como, mesmo nas situações mais precárias possíveis, Christina e sua mãe eram felizes e amavam muito uma a outra. Uma era tudo que a outra tinha nas cavernas e a autora retrata esse tempo como um tempo muito feliz de sua vida. Esse começo da história me envolveu bastante e eu fiquei sinceramente impressionada em como as duas levavam a vida e consegui imaginar cada dia, cada palavra que Christina retratava. Percebi que algumas coisas, infelizmente, não mudaram muito por aqui, coisas que, antes de conhecer a história da autora, eu nem percebia que aconteciam bem debaixo do meu nariz.


Esta é a segunda biografia que eu leio e devo dizer que foi bem difícil. Não porque a escrita da autora é ruim ou porque sua história não é interessante. Tive dificuldade em ler porque é uma história difícil. Como eu já disse, tem certas coisas na vida que nós sabemos que acontecem, bem perto de nós, mas não nos importamos com elas porque não nos afeta diretamente. A vida de Christina no Brasil foi muito sofrida e cada dia era uma luta para sobreviver, ela já perdeu muita gente nessa batalha e saber que tudo de fato ocorreu é doloroso para o leitor que vive próximo a essa realidade.

Fiquei muito impressionada com a vida que Christina teve em São Paulo. Não estou defendendo as atitudes erradas daqueles que vivem nas ruas, mas a autora nos traz uma nova perspectiva, uma visão de mundo que nos faz pensar duas vezes antes de reclamarmos do que temos e também nos faz pensar em como nós tratamos aqueles que não têm tanto quanto nós. A mentalidade da protagonista, desde criança, é de se encantar, sua curiosidade, sua fé e seu modo de ver o mundo são únicos.


A perspectiva de Christina fez com que eu mudasse meu jeito de ver o mundo e também me ajudou a pensar um pouco em como tive sorte na vida. Nunca Deixe de Acreditar me surpreendeu muito, foi uma leitura despretensiosa que me levou em um carrossel de emoções e me deu muito em que pensar. É uma leitura que todos que tiverem a oportunidade devem fazer.


Leia Mais
7 comentários
Compartilhe:

Novidades #181: Lançamentos Editoras Parceiras

Oi meus queridos! Como vocês estão?

Hoje quis trazer alguns dos lançamentos das Editoras Parceiras aqui do blog, até porque mês novo significa livros novos, não é mesmo? Lembro que não trouxe todos os lançamentos do mês, apenas alguns que eu achei mais interessantes. Quem quiser conhecer um pouquinho mais sobre eles, basta clicar na capa:

Editora Intrínseca


Editora Arqueiro


Editora Angel




Quais vocês gostariam de ler?

Leia Mais
9 comentários
Compartilhe:

Nossa Música - Dani Atkins

Sinopse: Ally e Charlotte poderiam ter sido grandes amigas se David nunca tivesse entrado em suas vidas. Mas ele entrou e, depois de ser o primeiro grande amor (e também a primeira grande desilusão) de Ally, casou-se com Charlotte.
Oito anos depois do último encontro, o que Ally menos deseja é rever o ex e sua bela esposa. Porém, o destino tem planos diferentes e, ao longo de uma noite decisiva, as duas mulheres se reencontram na sala de espera de um hospital, temendo pela vida de seus maridos. Diante de incertezas que achavam ter vencido, elas precisarão repensar antigas decisões e superar o passado para salvar aqueles que amam.
Com a delicadeza tão presente em seus livros, Dani Atkins mais uma vez nos traz uma história de emoções à flor da pele, um drama familiar comovente que não deixará nenhum leitor indiferente. (Skoob)

Livro recebido em parceria com a Editora
ATKINS, Dani. Nossa Música. Editora Arqueiro, 2017. 368 p.


Escrever uma resenha para Nossa Música, de Dani Atkins, será uma tarefa árdua para mim. O livro mexeu tanto com meu psicológico que cheguei a sonhar com sua trama e sofrer mesmo quando não estava lendo. Terminei a leitura há quase uma semana e, ainda assim, não consegui digerir completamente todos os acontecimentos e é difícil colocar em palavras algo que eu senti com tanta intensidade.

O livro é narrado em primeira pessoa por Ally e Charlotte, intercalando as passagens por seus respectivos pontos de vista, tanto no passado quanto no presente. No presente, uma irônica trapaça do destino coloca as duas frente a frente em uma noite difícil em que seus maridos estão na UTI entre a vida e a morte. A partir das lembranças, que não seguem uma ordem cronológica, as duas refazem a história que as levou até ali e deixam claro porque foi tão difícil se reencontrarem depois de tantos anos.

"O que mais me assustava era que estava ficando de repente muito mais difícil me lembrar por que eu odiava David e muito mais fácil recordar por que eu o amara."

É difícil falar do que eu achei do livro sem contar um pouco do enredo, então espero que me perdoem se eu deixar escapar algo fundamental, mas acredito que isso não vá acontecer, pois a trama é até um pouco previsível. O que a torna especial, de fato, é a escrita de Dani Atkins, que consegue colocar emoção em cada linha e nos aproximar dos personagens com muita facilidade. Por conta dessa característica da autora, não consegui culpar ou odiar nenhum personagem. Claro que não concordei com diversas atitudes deles e acho que tudo foi muito injusto com Ally, do começo ao fim, mas pude compreender o porquê de as coisas terem acontecido como aconteceram.

No início, imaginei que iria torcer por Ally e por David, mas sinceramente acho que o tempo deles já tinha passado. Só o fato de ele ter deixado Ally ir da forma como deixou tirou do personagem todo o brilho que parecia ter, já que alguém que dizia amar tanto não abriria mão tão fácil e, ao menos, tentaria. Ele me decepcionou por sua passividade e, em vez de demonstrar ser a pessoa determinada que parecia ser, só comprovou ser um garotinho rico mimado. Acho que isso ofuscou um pouco do que a trama dos dois poderia ter sido e tornou a sequência - Charlotte - ainda mais sem graça.

Charlotte foi a parte mais difícil da história. Acompanhar suas passagens não foi tão animador - ela era aquele tipo de pessoa sempre à espera, sempre à espreita. Ela não fez nada de interessante o livro todo além de circundar até conseguir o que queria, embora fizesse o tipo menina boazinha para dizer que não foi sua culpa. A personagem não me gerou ódio nem nada assim, até porque ela simplesmente estava ali, mas se tornou a segunda opção que aceitou ser exatamente isso. Em outras palavras, foi uma personagem sem graça totalmente ofuscada pela presença de Ally.

"- Por que está me contando isso? Por que agora? Esta noite? Tudo isso aconteceu há muito tempo. A vida seguiu em frente para todos nós.
- Seguiu? Às vezes não tenho muita certeza. Talvez o passado não esteja tão apagado quanto você pensa. Talvez ainda haja segredos escondendo-se em cantos escuros. Talvez seja a hora de eles se revelarem."

Ally, aliás, tem o tipo de brilho que irradia. Que personagem incrível Atkins conseguiu construir. Força, determinação, foco e vontade são apenas algumas das qualidades dessa protagonista, que lutou pelo que queria ao seu próprio modo e independente do quanto doesse. O que mais me doeu foi que em alguns momentos ela só queria um gesto e não recebeu nada, mas mesmo quando perdia a personagem sabia reconhecer e saía disso de cabeça erguida, por saber que fez tudo o que podia. Diferente de Charlotte, Ally era guiada por suas emoções - ela era explosão, bravura, luta, mesmo no silêncio. E Joe trouxe brandura para sua vida.

Infelizmente, Joe ficou um pouco deixado de lado na trama. Só mais para o final do livro é que foi possível conhecer melhor o personagem e, mesmo tendo tão pouco dele, consegui me apaixonar por aquele homem. Se o mundo tivesse mais Joes, seria um lugar muito melhor, definitivamente, porque com sua paciência e sua entrega incondicional, é impossível não querer ser também uma pessoa melhor. Queria que a autora tivesse trazido mais dele, mais cenas entre ele e Ally, mais detalhes desse personagem tão incrível.

Ao contar a história desses quatro personagens, Atkins mostra que a vida nem sempre segue o rumo que queremos, mas que ela pode trazer coisas ainda melhores do que poderíamos pedir. A autora também mostra o quanto é preciso apreciar e vivenciar o presente, porque o passado não pode ser alterado e desejar algo que não se tem impossibilita que outras coisas boas sejam vivenciadas.

Nossa Música me despertou sentimentos intensos e conflituosos, mas trouxe principalmente o lembrete de que tudo pode mudar a qualquer momento. Com uma escrita delicada e cheia de nuances, Dani Atkins construiu uma história linda, dramática e cheia de mensagens para a vida.


Leia Mais
9 comentários
Compartilhe:

Leituras do Mês: Outubro


Ei peops, como vocês estão? E como foram as leituras em outubro? As minhas foram ótimas e, dos cinco livros que eu li, três me encantaram completamente ♡

Já se deram conta que estamos rumo ao último mês do ano? Estou assustada, de fato. Mas vou aproveitar para fazer os últimos dias do ano serem ótimos e repletos de leituras boas!

O primeiro livro de outubro foi Tempestades de Sangue, segundo livro da trilogia Fortaleza Negra, publicado pela Ler Editorial. Estou completamente apaixonada por essa série e, no momento, estou lendo o terceiro volume.

Em seguida li Romance entre rendas, da Editora Arqueiro. Como contei na resenha, o quarto livro da série As modistas foi um bom fechamento, mas não me conquistou tanto quanto esperava.

Li ainda Música do Coração, que recebi em parceria com a Editora Pandorga. Estava louca de vontade de ler um new adult, mas tenho percebido que eu sempre me irrito muito com esse gênero. Contei tudo que senti ao ler o livro lá na resenha.

Outro livro que me fisgou e me surpreendeu foi Jogo de Espelhos, da Editora Intrínseca. Eu fiquei totalmente tonta com a surpresa trazida no meio do enredo e adorei essa sensação. Também tem resenha dele aqui.

A última leitura do mês foi Nossa Música, da Editora Arqueiro. Minha opinião sobre o livro provavelmente será publicada ainda essa semana.

Outras resenhas também foram publicadas pelos colunistas. O Carlos resenhou Meu Livro. Eu que escrevi., Nova Era, Valerian, A longa viagem a um pequeno planeta hostil e O conto da aia. A Marlene publicou resenhas de As coisas que fazemos por amor e Fique Comigo, e a Marcelle comentou Fade e Gone.

Já leram algum desses?

Leia Mais
9 comentários
Compartilhe:

Melodia Mortal - Pedro Bandeira e Guido Carlos Levi

Sinopse: Será que Mozart foi assassinado por Salieri? Tchaikovsky morreu de cólera ou envenenamento? Chopin morreu mesmo tuberculoso? E Beethoven, foi vítima do alcoolismo? A resposta, ou, pelo menos, algumas hipóteses plausíveis para essas perguntas estão em Melodia mortal, estreia na ficção adulta de um dos maiores autores para o público juvenil do país. Escrito a quatro mãos por Pedro Bandeira com o médico Guido Carlos Levi, o livro examina, à luz dos conhecimentos da medicina contemporânea, os indícios possíveis sobre as mortes polêmicas de alguns grandes compositores da música clássica. E quem conduz a investigação é ninguém menos que Sherlock Holmes, auxiliado pelo seu fiel escudeiro, o doutor John H. Watson, que narra as aventuras do detetive na empreitada. Talvez não seja possível, tanto tempo depois, elucidar a causa dessas mortes que a medicina da época não foi capaz de precisar, mas a diversão é garantida neste romance cheio de teorias científicas e enigmas que formam um intricado quebra-cabeça, na tradição da melhor literatura policial. (Skoob)
BANDEIRA, Pedro e LEVI, Guido Carlos. Melodia Mortal. Editora Fábrica231, 2017. 240 p.

Não há muito para dizer sobre Pedro Bandeira que já não tenha sido dito. Autor de enorme sucesso, principalmente da geração passada, relançou recentemente sua série de livros de aventura infanto-juvenil mais famosa: Os Karas.

Como há muito tempo não lia nada do autor, fiquei curioso ao ver o lançamento de Melodia Mortal, uma obra de sua autoria ao lado do médico Guido Carlos Levi. E ainda mais por ter como personagens principais, o maior detetive de todos os temos, Sherlock Holmes, e seu amigo inseparável e não menos espetacular, o doutor Watson.

Eu esperava encontrar uma história semelhante às histórias de Holmes, com assassinatos, mistérios, perseguições, disfarces, etc., mas, entretanto, não foi bem isso o que aconteceu. O que o leitor irá encontrar, na verdade, são estudos de Holmes sobre a morte de alguns famosos compositores mundiais, como Mozart, Tchaikovsky, Schumann, entre outros.

O detetive encontra indícios de que as causas dessas mortes podem ter sido outras que não as oficiais. Tudo isso é narrado por Watson em capítulos individuais, sempre seguidos por outro capítulo com uma narrativa em terceira pessoa, passado nos dias atuais, que descreve reuniões de uma confraria de médicos fãs de Sherlock Holmes, que encontraram esses manuscritos de Watson, e tentam corroborar, com as avançadas técnicas de hoje, as suspeitas de Holmes.

É interessante? Sim, porque conhecemos detalhes desses compositores e de suas mortes, mas não mais que isso. Não cria uma expectativa, uma vez que não existe clímax, e nem um real interesse, porque não existe nenhum mistério que seja instigante o suficiente. Por isso, acabei demorando dias para finalizar a leitura, que foi intercalada com outros livros, para não acabar abandonando.

Apesar de toda a experiência do autor, existem alguns problemas de narrativa e de conceito, sendo este último relacionado à caracterização de Sherlock Holmes. O personagem é conhecido por seu incrível intelecto e capacidade dedutiva, mas nas primeiras páginas, o autor cria diversas situações para demonstrar essa capacidade, que é posta abaixo logo em seguida por Watson. Tentar explicar: em uma dessas vezes, Sherlock deduz que Watson passa por dificuldades financeiras, uma vez que não tem recebido pacientes. Todos os detalhes que levam a essa dedução são precisos, depois de explicados, e causam espanto em Watson. Mas, logo em seguido, o bom doutor explica que preferiu não dizer a Holmes que ele estava errado, que na verdade a explicação é outra, para não magoá-lo. Algo assim, acaba colocando em dúvida a real capacidade dedutiva de Sherlock, e poderia destruir a confiança do leitor nas investigações que se seguem. Felizmente, o autor abandona esse despropósito pouco depois.

Quanto ao problema de narrativa, se dá nos excessivos elogios empregados por Watson, exatamente por causa das capacidades dedutivas de Holmes. São muitos, mas muitos mesmo, tantos que começam a incomodar. Na verdade, demonstram uma repetição e uma insistência próprias das narrativas infantis indicadas para livros de leitores menores. E isso acaba por tornar o livro mais indicado para esses leitores, e não para o público mais velho.

De qualquer forma, como disse anteriormente, é uma leitura interessante, cheia de fatos históricos, detalhes médicos, curiosidades de obras famosas de Conan Doyle, que se for iniciada com uma expectativa diferente da minha, poderá ser muito mais prazerosa.

Leia Mais
10 comentários
Compartilhe:

Book Haul - Outubro

Oi pessoal, como estão?

Não sei se vocês perceberam, mas não postei nada na última semana, exceto a postagem de novo Top Comentarista. Todo o resto foram postagens dos colunistas e agradeço a eles mais uma vez por me ajudarem tanto - ainda que não soubessem.

Na última sexta-feira perdi minha vózinha e estava um pouco desanimada. Talvez eu fale um pouco mais sobre isso em outra postagem, mas só queria dar uma satisfação, caso alguém tenha notado minha ausência.

O assunto de hoje, porém, são os livros que chegaram em outubro. Não foram tantos quanto nos últimos meses, mas são ótimos livros - e eu fico feliz de ter um pouco mais de espaço para colocar as leituras atrasadas em dia.


Os primeiros livros a chegarem foram O beijo traiçoeiro, que veio de cortesia da Editora Seguinte e será resenhado pela Alessandra, e Corpo, cortesia da Verus, que será lido pela Marlene.


Da Editora Intrínseca recebi Tartarugas até lá embaixo, que veio com marcadores, pingente, tattoo e ecobag e, como tenho curiosidade de ler outro livro de John Green, fiquei para mim. Também recebi Jogo de Espelhos, que eu amei e já tem resenha aqui no blog.


O último livro que chegou no mês foi Love is in the air 2, da Ler Editorial, que será resenhado também pela Alessandra.

Já leram algum desses? Quais gostariam de ler?

Leia Mais
9 comentários
Compartilhe:

Casada Até Quarta - Catherine Bybee

Sinopse: Blake Harrison: rico, nobre, charmoso... e precisando de uma esposa até quarta-feira. Para isso, Blake recorre a Sam Elliot, que não é o homem de negócios que ele esperava. Em vez disso, ele encontra Samantha Elliot, linda e exuberante, com a voz mais sexy que ele já ouviu.Samantha Elliot: dona da agência de casamentos Alliance, ela não está no menu de pretendentes... até Blake lhe oferecer milhões de dólares por um contrato de um ano. Não há nada de indecente na proposta dele, e além disso o dinheiro vai ser muito útil para quitar as contas médicas da família dela. Samantha só precisa disfarçar a atração que sente por seu novo marido e evitar a todo custo a cama dele.
Mas os beijos ardentes de Blake e seu charme inegável se provam muito difíceis de resistir. Era um contrato de casamento que previa tudo... menos se apaixonar. Agora só resta a Samantha proteger seu coração até que o contrato chegue ao fim. (Skoob)

Livro recebido como cortesia da Editora
BYBEE, Catherine. Casada Até Quarta. Editora: Verus, 2017. 196 p.


Casada Até Quarta é o primeiro volume da série Noivas da Semana, os livros podem ser lidos de maneira independente, porém, eu aconselho ler na ordem, pois os personagens estão interligados em todos os livros.

Nesse livro iremos conhecer Blake Harrison, ele precisa de uma esposa, pois seu pai deixou em testamento a seguinte cláusula: ele só pode receber sua herança se, ao completar 36 anos, estiver casado. Do contrário, perderá a herança, então para proteger sua irmã e mãe, que também serão prejudicadas caso isso aconteça, ele resolve contratar uma esposa e cumprir a ordem do seu pai.

Samantha Elliot é a dona da empresa Alliance, ela é uma mulher forte, que já passou por diversos momentos difíceis, mas que tenta se manter firme para cuidar da única família que lhe sobrou, sua irmã. Quando a missão de arrumar uma esposa para Blake cai no seu colo, ela não pode deixar essa oportunidade passar, afinal, precisa muito de dinheiro. Samantha estava preparada para um casamento, mas o que não contava é que a noiva seria ela.

Casada Até Quarta é tão clichê quanto parece. Black é a personificação de um deus grego, sexy, rico e de boa família, e Samantha está passando por problemas financeiros e precisa de dinheiro, juntando o útil ao agradável, temos fórmula perfeita para o amor.

"- Eu te amo Samantha Harrison. E, se você está esperando o dia em que eu te peça para sair da minha vida, pode se preparar para esperar pela eternidade."

Um ponto que para mim foi um diferencial na leitura, é que Black é um duque, isso é muito raro de encontrar em um livro contemporâneo, por isso nem preciso dizer que o personagem virou meu queridinho. 

Apesar da Catherine trazer um romance mais leve e descontraído, temos, é claro, a nossa dose de dramas, intrigas e problemas entre os personagens. Porém, quando eles enfim conseguem se entender, a química entre eles é explosiva e foi bonito e muito fofo ver o carinho e cuidado que um tinha com o outro.

"- Pronta para se casar? Ela virou a mão para cima e entrelaçou seus dedos nos dele.
- Que seja. Não tinha nada melhor planejado para hoje."

Como nem tudo são flores, uma ex-amante vem pôr fogo da história, e os segredos que Black guarda podem ameaçar o relacionamento deles. Os personagens são extremamente cativantes, ver a mudança deles quanto ao relacionamento que ambos queriam foi incrível, Sam me conquistou pela sua força e honestidade, ela se mostrou ser uma pessoa bem forte, só em não desistir perante as adversidades que passou. 

Os personagens secundários foram bem importantes para a trama, como Eliza, que é melhor amiga de Sam e protagonista do segundo livro: Esposa até segunda. Por se tratar de um livro bem curto, eu não posso falar muito sem dar spoiler por isso, leiam. 

A diagramação é bem simples, sem nada que o destaque, não encontrei nenhum erro ao longo da leitura, a capa é bem bonita, porém o que me incomodou é o fato de que a série começa pela Quarta-Feira, mas, acredito, irei superar isso. 

Em suma, essa foi uma ótima leitura. Então se você está procurando uma leitura rápida e gostosa, para te tirar daquela ressaca literária, ou até mesmo passar o tempo, Casada Até Quarta é uma ótima escolha.

Leia Mais
8 comentários
Compartilhe:

Top Comentarista - Novembro

Novo mês, novo Top Comentarista!

As regras da Promoção são semelhantes às dos meses anteriores, o ganhador escolherá o livro que irá receber dentre as opções disponíveis na lista. Tentei trazer opções bem diversificadas, espero que vocês gostem.

Para se inscrever é preciso:
  • Seguir o Conjunto da Obra pelo Google Friend Connect (clicar em "Participar deste Site" na barra lateral direita)
  • Ter endereço de entrega em território Brasileiro.
  • Preencher o formulário abaixo.
  • Comentar em todos os posts publicados no mês de novembro, exceto os de lançamentos de novas promoções.

Serão cinco títulos disponíveis:
1. Sangue na neve
2. As sete irmãs
3. A filha perdida
4. Música do Coração
5. #Fui

  • Seguidas todas as regras iniciais, para participar, basta preencher a primeira entrada do formulário. A primeira entrada confirma sua participação no Top Comentarista, enquanto as demais constituem chances extras, sendo opcionais.
  • Serão considerados válidos os comentários nas postagens do mês de outubro se feitos até o dia 1º de dezembro. Ou seja, será concedido um dia a mais para que os participantes consigam comentar nas últimas postagens do mês.
  • O participante deve fazer comentários válidos, que demonstrem que a postagem foi lida. Não adianta dizer que está curioso para conhecer a história, isso não é suficiente, e o participante será desclassificado.
  • O vencedor será definido por sorteio, dentre os participantes que comentarem em todas as postagens do mês. Apenas depois de feito o sorteio será conferido se o sorteado comentou em todas as postagens do mês. Caso essa regra não seja cumprida, o mesmo será desclassificado, e um novo sorteio será realizado.
  • O sorteado escolherá o livro que deseja ganhar da lista de livros citada acima.
  • O sorteado será contatado por e-mail, tendo o prazo de 24h para fornecer seus dados. Caso não envie resposta no prazo, será realizado novo sorteio.
  • O prazo para envio dos prêmios é de 60 dias após o recebimento dos dados dos vencedores.
  • O Conjunto da Obra não se responsabiliza por extravio ou atraso na entrega dos Correios. Assim como não se responsabiliza por entrega não efetuada por motivos de endereço incorreto, fornecido pelo próprio ganhador e o livros não será enviado novamente;
  • A Equipe do Conjunto da Obra se reserva ao direito de dirimir questões não previstas neste regulamento.
  • Esta postagem também conta para o Top Comentarista.


a Rafflecopter giveaway

Boa sorte a todos!

Leia Mais
11 comentários
Compartilhe:

O Conto da Aia - Margaret Atwood

Sinopse: Escrito em 1985, o romance distópico O conto da aia, da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump. Em meio a todo este burburinho, O conto da aia volta às prateleiras com nova capa, assinada pelo artista Laurindo Feliciano. (Skoob)
ATWOOD, Margaret. O Conto da Aia. Editora Rocco, 2017. 368 p.

Escrito em 1985, época em que o termo distopia ainda não era tão familiarizado dos leitores como é hoje em dia, embora já existissem obras desse gênero bem famosas, como O Planeta dos Macacos, A Guerra dos Mundos, Blade Runner, Admirável Mundo Novo, entre outros, O Conto da Aia aborda temas que atingem diversas vertentes do preconceito, racismo, homofobia, totalitarismo, machismo, tudo embalado em uma narrativa cheia de raiva e rancor.

Após três quartos da população feminina ter ficado estéril, devido a doenças sexualmente transmissíveis, além de outras provocadas pela degradação do meio-ambiente, um grupo religioso totalitário aplica um golpe nos EUA, destrói o governo atual e assume o controle do país, mudando, inclusive, o nome para República de Gileade. A primeira coisa que fazem é suprimir os direitos femininos, mas eles também mantém um regime militar extremamente impiedoso e mortífero, além de leis baseadas em um fanatismo religioso que prega o Antigo Testamento Católico. As mulheres que ainda conseguem engravidar, chamadas de Aias, são destinadas a famílias influentes, cuja esposas sejam estéreis.

Existem outras classes de escravidão, uma vez que não existe salário para essas mulheres e elas são mantidas sob cárcere, como as Marthas, que são empregadas domésticas e cozinheiras. As mulheres que não pertencem a famílias influentes e que não podem ter filhos, ou que são lésbicas, são exiladas para locais desconhecidos, chamados de Colônias, onde precisam sobreviver no meio da pobreza e de doenças.

Existem diversas supressões de liberdade e individualidade que são descritas, aos poucos, por Offred, a personagem principal. E, como disse no primeiro parágrafo, sua narrativa é recheada de raiva e rancor, mas também passa pelo medo, pelo desespero, pela repulsa, pela revolta.

O nome Offred é um perfeito exemplo de até onde foi a perda de liberdade. Offred é o nome que a personagem recebe após o regime, após ser presa e doutrinada para obedecer e cumprir suas funções, que quer dizer Of Fred (de Fred), que é o nome do homem da família para onde ela foi enviada para reproduzir, e a quem ela passa a pertencer.

A história utiliza diversas alegorias nos rituais que os personagens são obrigados a realizar, como nas relações sexuais, estupros na verdade, e no parto, que incomodam a ponto de causar uma revolta no próprio leitor. Em algumas partes, fica difícil distinguir até onde as pessoas perderam a capacidade de avaliar o que é insano e o que não é ao viverem da forma que vivem em Gileade.

Nas ruas, médicos que praticavam abortos são enforcados e os corpos deixados pendurados para todos verem. O mesmo com homossexuais ou pessoas que tentaram confrontar o regime totalitário. Não é permitido ler, assistir televisão, com exceção da hora de pronunciamento governamental, a comida é controlada, bem como o dinheiro, os transportes, a comunicação, a movimentação das pessoas. Em todos os lugares podem existir espiões disfarçados, prontos para delatar algo que achem indigno. Furgões negros, chamados de Os Olhos, aparecem do nada e levam embora pessoas que nunca mais aparecem. É um regime de total terror.

Todos esses fatos são narrados por Offred e intercalados com suas lembranças de como era antes do golpe, do marido e da filha pequena que amava e que foram tirados de seu convívio. A esperança de que, de alguma forma, isso mude, é a força que move e mantém a personagem equilibrada e viva.

Também, como disse no primeiro parágrafo, é fácil fazer comparações com nossa própria realidade, como o regime totalitário do oriente médio, a época da ditadura no Brasil, a escravidão colonial, os tribunais de idade média, as perseguições aos judeus, entre outras barbáries históricas. É como se a autora compilasse em uma única história, tudo o que o ser humano fez de abominável nos últimos dois mil anos. E é aterrador constatar como as coisas podem voltar a serem feitas com tanta facilidade.

Sim, porque uma das coisas mais assustadoras da obra é em como o golpe foi iniciado. A autora não descreve que as coisas mudaram de uma hora para a outra. Pelo contrário. Nas lembranças de Offred, é demonstrado como os sinais começam aos poucos, devagar, dias, semanas, meses, atingindo diversas áreas estratégicas da sociedade, até que quando se dá conta do que está acontecendo, já é tarde demais.

O Conto da Aia vai além do gênero distopia. Ele é uma demonstração fidedigna de como o ser humano pode justificar suas atrocidades pela religião, pelo preconceito com gêneros minoritários, pelo machismo pelo sexo mais frágil, e em como, principalmente, ele consegue se adaptar perfeitamente e interagir com essa situação. Assustador!

Tem uma série de TV lançada este ano e que fez enorme sucesso de crítica e público, além de já ter ganho vários prêmios, e estar concorrendo a tantos outros. Mas dela, eu falo em uma postagem exclusiva ;)

Leia Mais
8 comentários
Compartilhe: