Conjunto de Séries #16: 13 Reasons Why


Sinceramente, não sei se tenho algo a adicionar ao tanto que já foi falado sobre essa série por aí. Não sou uma crítica, nem nada assim, mas gosto de expressar minha opinião para ouvir o que os outros têm a dizer também, e acho que é por isso que decidi trazer algumas poucas impressões sobre Thirteen Reasons Why para vocês.

Eu não li o livro, então não tenho como fazer comparativos. A resenha disponível aqui no blog foi escrita pelo Carlos (com muita propriedade, aliás). Mas isso não me impediu de começar a assistir os episódios logo que comecei a ver o burburinho em torno dela, ou seja, no sábado logo após seu lançamento (já que a essa altura alguns espectadores já tinham finalizado a série). Eu assisti do mesmo modo que Clay ouviu as fitas - devagar, lentamente, processando aquele mundo de informações que eram trazidas a cada episódio.

A construção dos episódios é muito, muito boa. O passado e o presente se intercalam, mas, diferente da maioria das séries que trabalham sua história dessa forma, os produtores conseguiram evitar que essas quebras arruinassem o fluxo da trama ou parassem no clímax. Pelo contrário, os trechos de períodos diferentes se complementavam, gerando expectativa e mantendo a curiosidade por todo o episódio. Ou até mesmo além dele, visto que o que prende a atenção é a curiosidade de saber por que Clay está nas fitas, afinal.


O elenco da série é uma gracinha. Apesar de extremamente jovens, os atores conseguiram convencer em seus papéis. Dylan Minnette, como Clay, foi cativante, e Katherine Langford me conquistou em sua Hannah de olhos claros e lacrimejantes. Esses são só os nomes principais, porque é difícil listar aqueles que mais me agradaram. Todos fizeram um excelente trabalho.

Como não poderia deixar de ser, a série trabalha com temas sérios e pesados. Não só o suicídio, mas a depressão, o estupro e o bullying. Só que faz isso de uma maneira intensa e, ao mesmo tempo, não tão sombria. Particularmente, tinha receio, no início, de me sentir por demais abatida com o decorrer dos episódios. Claro que abala o espectador - não é fácil saber que alguém escolheu morrer e tantas pessoas que poderiam ajudar só influenciaram nessa escolha. Porém, achei que seria ainda mais pesada e graças a Deus que não foi.

Não acho, como ouvi dizer por aí, que a série romantizou o suicídio. Pelo contrário. Acho que foi ousada ao mostrar abertamente algo mais comum do que pensamos, sobre o que se evita falar por... medo de acontecer? Obviamente, não falar não impede que aconteça, então acho que é preciso sim debater temas como esse, por mais dolorosos que sejam.

Acredito que seja melhor alguém triste ou desgastado evitar assistir essa série. É preciso estar como o emocional e o psicológico bem firmes para não ser tão afetado por toda a dor de Hannah. A trama traz ensinamentos valiosos sim, mas também tem uma carga dramática intensa e com algumas cenas bem cruéis e cruas.

Sem dúvida alguma, é uma série que faz pensar. Sobre quem somos, quem fomos, e sobre quem está passando por essa fase difícil que é a adolescência, ou sobre as pessoas que em qualquer fase enfrentam a depressão. É preciso eliminar o preconceito e fazer o bem sem ver a quem - sempre!


E vocês, assistiram à série? O que acharam?
Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

14 comentários:

  1. Olá Ju,
    OS 13 Porquês, me pergunto quais são os 13 porquês da vida de alguém que sofre bullying, essa serie no momento não assistir mais já vi muitos comentarem sobre elas e darem opiniões, e sempre me deixou com vontande de assistir mais eu prometi a mim mesmo que antes de ver, eu compraria o livro para ler..mas claro a historia para mim e bem forte!

    ResponderExcluir
  2. Oi Ju
    Eu achei a série mega pesada, foi difícil até de assistir, e como não tinha lido o livro ainda pensei que era parecido, mesmo assim resolvi ler e adorei. O livro é leve, e gostei mais de ver só a visão do Clay.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Ju!
    Confissão bem sincera: não li o post na íntegra porque ainda não assisti a série. Como você disse no início, muito tem sido dito por aí e eu tenho tentado fugir ao máximo, até porque não li o livro também e tenho vontade de fazer isso há anos, então vou tentar ler antes de assistir. Pelo pouco que li, você parece ter gostado.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Júlia!!!
    Não li o livro ainda mas assisti a série achei algumas partes pesadas e fortes mas não arrependo de ter assistido gostei bastante espero ler o livro em breve.
    Até mais!!!

    ResponderExcluir
  5. Ju!
    Acho como você, que devemos discutir cada vez mais os temas pesados e contínuos, pois acontecem com maior frequência do que seria o desejado.
    Não devemos omitir nossa opinião e devemos sempre estar alertas as pessoas ao nosso redor com sintomas evidentes e que pedem, mesmo que de forma calada, auxílio para enfrentarem os momentos de depressão.
    Não assisti ainda e nem li o livro, mas quero.
    FELIZ DIA DAS MÃES!
    “Sê humilde para evitar o orgulho, mas voa alto para alcançar a sabedoria.” (Santo Agostinho)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oie Ju, eu amei a série! Tb não li o livro, mas no final até fiquei com vontade de conferir a obra! Eu achei que a série fosse cansativa, enfadonha, mas me surpreendi positivamente com ela! Estou ansiosa pra segunda temporada!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  7. Tenho certo receio de assistir a série justamente por essa carga dramática intensa que ela possui, mas quero muito ler o livro que já faz um certo tempo que queria ler. Os assuntos abordados na série são assuntos a serem debatidos e a série demonstra um desfecho mais pesado para todas esses assuntos e deixa aberto a discussão do quanto essas pessoas sofrem com a violência e do quanto precisam de ajuda.

    ResponderExcluir
  8. Ju, assim como você eu também não li o livro para comparar com a série. A temática é muito importante de maneira social, mas a série se desenvolveria melhor em menos episódios. Achei bastante arrastado em alguns momentos.Mostrar suicídio é uma ótima ideia. Falta horrores de informação sobre isso. Mas eu me pergunto se 13 Reasons Why não se propunha a contar uma história sobre bullying em vez disso. Ou sobre o ambiente tóxico do colégio, em que as pessoas são ensinadas a competir e a se odiar desde cedo. Isso faz com que o problema seja de todo mundo, e não de uma dezena de adolescentes, não é?

    ResponderExcluir
  9. Ouvi falar muito bem sobre a serie e estou ansiosa para assitir para quero primeiro ler o livro que tambem dizem ser muito bom e que infelizmente ainda não tive tempo para começar a ler.

    ResponderExcluir
  10. Oii Ju!!
    Eu tbm não li o livro (mas ainda qro) e corri pra ver a série acredita?
    Eu simplesmente adorei! Contando os segundos pra q venha logo a segunda temporada!
    Bjs!!!

    ResponderExcluir
  11. Oi Ju!
    Eu li o livro tem mais ou menos uns 5 anos e, de verdade, mudou muitas das minhas atitudes. Não que eu fosse alguém que praticasse bullying, mas que eu fosse alguém como o Clay, que via as coisas acontecendo e não via de verdade, com olhos aguçados e prontos pra ajudar alguém que precisa da gente. Achei muito legal aquele livro ter virado filme principalmente por isso, não para incentivar pessoas ao suicídio conforme vi alguns falando, mas, sim, para incentivar pessoas ao amor, à paciência, à fraternidade. Quantas pessoas passam por nós todos os dias com seus próprios problemas? O que custa, se não podemos ajudar, ao menos sermos solidários com a dor do outro, oferecer uma conversa ou mesmo um abraço? Acho que esse era de fato o real propósito da série: alertar. Espero que realmente faça a diferença. E esperamos a segunda temporada, não é mesmo? Hahaha beijinhos!
    www.fabricandoalgunssonhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Assisti a série como você, aos poucos.
    Eu fiquei bastante abalada com a série, não vou negar, mas acho que já estava na hora de falarmos sobre o assunto. O objetivo era chocar e gerar repercussão. Objetivo atingido.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  13. Assisti a série, mas não li o livro. Me emocionei muito com o Clay e com a mãe da Hannah, os assuntos abordados são de suma importância pois todos os dias estão na mídia, com a série podemos parar refletir e até avaliar nossas atitudes e prestar mais atenção as pessoas em volta.

    ResponderExcluir
  14. Assisti a série, mas ainda não li o livro. Gostei muito da série, apesar de achar uma coisas bem forçadas... O que eu não gostei foi a reação de algumas pessoas ( principalmente as mais velhas) dizendo que no tempo delas não era assim, que não existia essas coisas ou que os pais educavam pra ser fortes etc. O que eu tirei disso tudo é que não importa qual o seu problema, sua dificuldade, eles sempre vão minimizar as tuas causas. Vai ter gente que vai ajudar, mas a maioria nao vai ajudar de jeito nenhum. Acho que a série possui ésse propósito. De mostrar que as pessoas não ajudam umas as outras. Gostei demais de alguns episódios, outros achei desnecessários.

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.