A descoberta da Currywurst - Uwe Timm

Sinopse: Enquanto conta para um entrevistador a origem da currywurst, Lena Brücker reconstrói a atmosfera de um país ocupado ao fim da Segunda Guerra, à espera do colapso iminente, e revive a sucessão de fatos que levaram à descoberta do prato que viria a se tornar um símbolo da nova Alemanha. Este caminho perpassa a solidão de quem vê a família inteira ir para o front, os improvisos que possibilitam a sobrevivência em tempos de guerra, a constante vigilância do regime nazista e a uma relação obsessiva com um soldado muito mais jovem, a quem deu abrigo e transformou em desertor de guerra e seu amante. (Skoob)

Livro recebido em parceria com a Editora
TIMM, Uwe. A descoberta da Currywurst. Dublinense, 2015. 192 p.


Antes de começar a falar sobre o livro propriamente, vale esclarecer o que vem a ser a currywurst: trata-se de um prato de fast-food tipicamente alemão que surgiu no fim da Segunda Guerra Mundial, e consiste em salsicha de porco cortada e temperada com katchup ao curry. Existem várias versões sobre como e onde teria surgido esse prato e o livro de Uwe Timm traz a sua própria.

Em A descoberta da Currywurst, o narrador do livro volta à sua cidade da infância, Hamburgo, tentando resgatar uma história ouvida há muitos anos, quando uma velha conhecida teria afirmado ter inventando a currywurst. Ao reencontrar Lena Brüker, conhece não somente a forma inusitada com que o prato surgiu, mas todos os acontecimentos da vida daquela mulher que levaram a isso.

"Sem vontade, ela havia cozinhado para si e para o marido e, para ser sincera, também havia cozinhado sem vontade para as crianças quando o marido não estava em casa. Mas então, estranhamente, quando tudo estava faltando, quando outras pessoas perdiam a vontade de cozinhar porque mal havia ingredientes, foi aí que começou a ter vontade de cozinhar. Divertia-se em se virar com tão pouco. Procurava traduzir sabores. Aventurava-se com receitas que, antigamente, quando ainda havia todos os ingredientes, nunca teria cozinhado."

Uwe Timm utilizou-se de um formato bastante peculiar para narrar esse livro. Toda a trama é escrita em texto corrido, sem aspas ou travessões que demarquem os diálogos. É interessante perceber que essa construção não atrapalha em nada a leitura, mas, ao contrário, torna-a mais interessante. O autor usa as próprias palavras para delimitar diálogos, e usa isso com tanta propriedade que não há dúvida quando se trata ou não de uma fala. Essa formatação de texto dá a impressão de que se trata, na verdade, da transcrição de um áudio - sem pausas, sem interrupções, uma única voz que narra os acontecimentos.

Acompanhar a história de Lena traz ao leitor a quebra de alguns paradigmas morais. Conhecer a vida de uma mulher, já nos seus quarenta anos, com dois filhos crescidos e um marido que partiu, e saber que precisa enfrentar sozinha as dificuldades da época da Guerra e lidar, principalmente, com a solidão, torna difícil julgá-la quando deixa de fazer o que é certo para manter a ilusão de alguns dias perfeitos. Por mais egoísta que sejam suas atitudes, é fácil compreendê-la e desejar que encontre, de algum modo, alguma felicidade.

É curioso, nesse livro, que, embora Lena não seja a narradora, é ela a protagonista da obra. É por ela que surge empatia e é ela que se quer conhecer. O narrador é, na verdade, um mero coadjuvante, sobre quem se sabe quase nada, nem ao menos seu nome, e que está ali apenas para ouvir o que Lena tem para contar - assim como nós, leitores.

No mais, vale destaque para a bela Edição da Editora Dublinense, que além de trazer uma bela capa e diagramação confortável para a leitura, enriqueceu a obra com imagens da época no interior da capa.


A descoberta da Currywurst é uma leitura rápida e agradável, que tem como proposta aum tema aparentemente irrelevante - comida -, mas que traz consigo reflexões mais profundas sobre assuntos difíceis, como a Guerra, a solidão, a velhice, entre outros.
Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

8 comentários:

  1. Ju!
    Já me atraiu por dois motivos: primeiro por ser um período pós guerra, assunto que sempre me interessa e depois, por saber que se relaciona a culinária alemã, que é um delícia.
    Claro que poder acompanhar os sentimentos de Lena em fase tão difícil, é outro atrativo também, principalmente porque tenho a impressão que o autor trouxe muito do lado psicológico dela e gosto quando isso acontece.
    Fiquei interessada pela leitura.
    Boas festas juninas e bom final de semana!!!!
    “O que importa afinal, viver ou saber que se está vivendo?” (Clarice Lispector)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Adorei a quebra de estrutura do livro. Essas novidades são sempre bem-vindas pra mim.
    A Lena enfrenta dificuldades como toda mulher na época da guerra e é interessante mostrar o que ela passou.
    Adorei a escolha do cenário.

    ResponderExcluir
  3. Curto muito ler sobre todos esses temas, comida, guerra, solidão, velhice, não conhecia esse livro e essa resenha me deixou bastante interessada em conferi essa história.

    ResponderExcluir
  4. Achei a sua resenha muito boa embora eu não tenha tido interesse no livro. Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Oi Ju!
    Não é um gênero que costumo ler não, não consigo me prender em livros assim...
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Não me interessei pela leitura, não vou ler.
    ronida_sindi@hotmail.com

    ResponderExcluir
  7. Achei interessante pois gosto de historias que falam desse periodo da Segunda Guerra Mundial e dessa cultura da Alemanha não sabia desse prato de nome estranho rs.

    ResponderExcluir
  8. Oi Ju!!!
    Sério eu sou um tanto temerosa que trazem comi tema uma história a criação de algo pois são pouco aqueles que conseguem tirar a má impressao que tenho de uma literatura assim.
    Mas de todo modo sei que quem curtir vai amar o livro.
    A resenha tá incrível.

    lereliterario.bligspot.com

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.